Vereador tucano desnuda uma triste realidade: presidente da Câmara está em guerra contra o prefeito. Situação ultrapassa limites do bom senso e pressão para que chegue ao fim essa desavença ganha espaço

Encerrando o rol de projetos em segunda discussão, na terça-feira passada foi retirado de pauta o Projeto de Emenda à Lei Orgânica Municipal nº 09/2012, de autoria do então vereador Marinho Marte (DEM), que acrescenta o parágrafo 4º ao artigo 54 da Lei Orgânica do Município de Sorocaba, estabelecendo que “os secretários municipais deverão comprovar residência no munícipio no ato da posse”. O projeto começou a tramitar na Casa em 13 de novembro de 2012 e, com base em parecer da Secretaria Jurídica, foi considerado inconstitucional pela Comissão de Justiça da época, formada pelos então vereadores Paulo Mendes (PSDB) e Cláudio Sorocaba I (PR), além de Anselmo Neto (PSDB). Mas o parecer foi rejeitado em plenário e o projeto foi aprovado em primeira discussão na sessão de 5 de fevereiro de 2013 (a primeira daquele ano legislativo), sendo em seguida retirado de pauta a pedido do autor.

Ou seja, era assunto morto.

O que faz o presidente da Câmara, Rodrigo Manga, a ressuscitar esse projeto?

Apenas mais uma atitude, entre dezenas de outras que incluem desde manifestação, ameaça e esbravejamento nas redes sociais, de Manga que não aceita o modo de ser do prefeito Crespo, ou seja, 1) Manga não queria que Crespo nomeasse para a pasta de Recursos Humanos Osmar Tibes Júnior, que é de Itapetininga (e ligado ao missionário Olimpo, da sua igreja, mas seu adversário); 2) queria que o prefeito assumisse e defendesse legenda para ele no DEM para sair candidato ou o expulsasse do partido, o que permitira que ele fosse candidato por outra legenda; 3) queria que o prefeito consultasse ele antes de tomar as atitudes que toma.

Tudo isso pode ser legítimo, mas Manga errou na dose e no tom, ou seja, errou na forma de externar o conteúdo do seu discurso. Suas atitudes estão sendo vistas como a busca de alcançar objetivos pessoais e não da instituição que preside. Seu comportamento, muitas vezes falando alto e gesticulando muito, comunicam um destempero que ninguém gosta de ver em um líder. A maior prova do descontentamento que se vê em Manga partiu primeiramente de Renan dos Santos, aliado de primeira hora, que se distanciou de Manga. Na sessão de terça-feira, pela primeira vez em 15 meses de mandato, Hudson Pessini foi contrário a Manga em plenário.

Mas entendo que coube a Anselmo Neto do PSDB, vereador que foi líder do prefeito Pannunzio na legislatura passada e secretário de Crespo no atual mandato, desnudar essa triste realidade: presidente da Câmara está em guerra contra o prefeito. Ele disse à jornalista Cida Muniz da rádio Ipanema: “Precisa acabar com essa guerra entre Câmara e Prefeitura para o bem da cidade. Manga, procure Crespo e acabe com isso”.