Vice-prefeita vai a ato convocado por seu partido e diz: “Não se arrepende quem diz a verdade, não se arrepende quem age com convicção como eu fiz”

JaquePTBA vice-prefeita de Sorocaba, Jaqueline Coutinho (PTB), afirmou, durante encontro de seu partido, que a crise política entre ela e o prefeito José Crespo (DEM) “não é questão de desculpas pessoais”. “Essa situação que vem se delongando em um mês poderia ser resolvida num minuto”. A petebista referiu-se ao caso da denúncia do diploma de ensino fundamental da ex-assessora Tatiane Polis, que supostamente seria falso. “Considero-me partícipe de um movimento de cidadãos voltados a mudar o paradigma na política”, disse Jaqueline.

Aparentando estar abatida, Jaqueline participa, nesta tarde de quinta-feira (20), de um encontro promovido pelo diretório municipal do PTB, como o intuito de esclarecer o mal-estar no Paço, após o caso da desavença de Jaqueline com o prefeito José Crespo (DEM), por conta do episódio de 23 de junho ocorrido no gabinete do democrata, que culminou em briga por conta da investigação do diploma de Tatiane. “Não se arrepende quem diz a verdade, não se arrepende quem age com convicção”, defendeu Jaqueline.

Cláudio Ferreira, assessor direto do deputado e presidente estadual da legenda, Campos Machado, esteve presente no encontro e afirmou que o partido negocia uma aproximação entre Jaqueline e Crespo. “O PTB jamais vai deixar a vice-prefeita sozinha”, afirmou. Segundo ele, a reunião com Campos Machado não era reunião de desagravo e já estava programada há 20 dias. Durante a vinda do parlamentar a Sorocaba, na última terça-feira (18), Machado evitou o assunto da crise entre prefeito e vice, no qual disse desconhecer o assunto. “Não era função daquela reunião com o Campos Machado fazer algum desagravo”, fomentou o assessor.

Ferreira relatou que a administração “é de Crespo-Jaqueline e não tem como quebrar isso”. A vice relatou que, até nesta sexta-feira (21), a peça processual dela estará pronta e vai esperar a decisão da Vara da Fazenda Pública para prosseguir. “O PTB não pode fazer nenhuma ação jurídica”, disse o assessor de Campos. Ele também afirmou que a mudança dos moradores ao Residencial Carandá só aconteceu devido à intervenção de Jaqueline junto ao deputado Campos Machado.

A vice aproveitou para comentar a respeito da carta de Crespo solicitando o afastamento dela como vice-prefeita. “A notificação que recebi em minha casa corrobora os eventos do dia 23 de junho”, falou. “Como agente pública agi dentro dos princípios da administração. Informei o partido de tudo desde o princípio. O partido sabe e está solidário”, ressaltou. “Existem rituais que ninguém pode deturpar, burlar… Há procedimentos legais que devem ser seguidos por quaisquer cidadãos. Ninguém está acima da lei”, reforçou. (Reprodução do Portal Ipanema com reportagem de Gustavo Ferrari e texto de Alana Damasceno).