Autor: Odedaquestão

Próximo depoente na a Comissão da Verdade sorocabana promete emocionar com a sua história

O psicanalista Daniel Lopes, empenhado na busca de bons resultados da Comissão da Verdade sorocabana,conta que um dos próximos depoentes tem tudo para emocionar os presentes por sua história.
Daniel relata que “dia destes, fui procurado pelo Professor Osmar, que também participa do movimento que reivindicou a Comissão da Verdade. Ele me relatou ter conversado com um senhor, que, por enquanto, preservo o nome, dizendo ter sido preso e torturado pela Ditadura; estando temeroso em falar publicamente sobre o que havia ocorrido em sua vida. Liguei pra ele e ouvi atentamente sua história. Então, fiz o convite para que ele falasse na Comissão. Depois de algum tempo, disse-me que iria conversar com a família, sobre falar ou não. Hoje, a Marisa, assessora do Presidente da Comissão, vereador Izídio de Brito (PT), disse-me que o senhor procurou o gabinete disposto a falar. Nesta conversa informal, emocionou-se e emocionou os dois, Marisa e Izidio, que ouviam atentamente. Espero que mais pessoas tenham esta iniciativa e falem sobre o que viveram. Não tenham medo! Vamos em busca da verdade! É o que basta! E que Deus continue nos dando discernimento para lidar com situações e histórias tensas e intensas. Ninguém mata a verdade!”

Lula ignora imprensa em sua passagem por Sorocaba

O ex-presidente Lula acompanhou o coordenador da Caravana Horizonte Paulista, o ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha e pré-candidato do partido ao governo de São Paulo, no salão de festas do Lar São Vicente de Paulo. Mais de mil pessoas estiveram lá e se entusiasmaram com Lula. Sou capaz de arriscar que 100% eram petistas, o que explica a festa e o entusiasmo com a presença de Lula. Ignorar a imprensa de Sorocaba foi um erro de Lula. Deixou a festa dele com a turma dele, apenas. Poderia ter expandido esse diálogo com a cidade ao atender os jornalistas. Não consigo imaginar uma pergunta que constrangesse Lula para ele não ter reservado uma hora para atender aos jornalistas. Lula se iguala a Alckmin ao agir assim. Pena que essas lideranças venham e vão sem deixar uma marca verdadeira. Fica a propaganda da sua ideologia para o seu grupo ideológico.

Ao tentar explicar o que ninguém ainda conseguiu sobre as mudanças no Plano Diretor, presidente da Câmara choca jornalista com sua profunda sinceridade

“Para mim é bom, aumenta o meu eleitorado”. Foi assim, com transparência e sem rodeios, que o presidente da Câmara de Vereadores de Sorocaba, Cláudio do Sorocaba 1, explicou a razão de apoiar um dos pontos polêmicos do Plano Diretor que está na Câmara para ser votado, o que diminui a área rural de Sorocaba e a transforma em Zona Residencial 3 (aquele formada por lotes populares). Como essa diminuição ocorre na zona oeste (região do bairro Sorocaba 1 que dá o sobrenome ao vereador) ele vê na ocupação do local a chegada de mais eleitores. Um critério pessoal, portanto bem longe do interesse público. Confesso que a sinceridade do vereador Cláudio do Sorocaba 1 me choca. O habitual é se ouvir mentiras dos políticos. Mas como o próprio Cláudio do Sorocaba 1 disse na coluna O D da Questão na Ipanema FM: “na Câmara de Sorocaba o vereador mais bobinho troca de meia sem tirar o sapato”.

Promotor sai em defesa do lote mínimo de 200 metros quadrados para Sorocaba e engrossa o coro dos que defendem a necessidade do Plano Diretor ser amplamente debatido pela sociedade sorocabana

O promotor de justiça da comarca de Sorocaba Orlando Bastos Filho engrossa a lista das personalidades de Sorocaba que defendem que o projeto do novo Plano Diretor de Sorocaba que é de 2004 (em 2007 ele teve uma revisão), e que acaba de chegar à Câmara de Vereadores, seja amplamente debatido com a sociedade.
Lembro que coube a Sérgio Reze, em dezembro de 2012, com sua indignação pessoal diante da iminência do novo Plano Diretor ser colocado em votação pelo ex-prefeito e pelos legisladores passados, no fechar da luzes dos seus mandatos, levantar a voz sobre a necessidade de ampla discussão sobre o assunto. Por iniciativa dele nasceu o Instituto Defenda Sorocaba cujo um dos princípios (são vários outros) é o de buscar uma ampla discussão sobre o Plano Diretor.
O prefeito Pannunzio atendeu a esse apelo. Deu chances para discussões e somente agora, 15 meses e meio após ter assumido o cargo de comandante do Executivo, apresentou aos vereadores. A defesa, agora, é que os legisladores façam novas audiências públicas. Que o presidente do legislativo, Cláudio do Sorocaba 1, gaste verba com publicidade oficial em blogs, jornais, rádio e TV clamando o cidadão a debater, a ter despertado o senso crítico para a importância de um Plano Diretor para a vida da cidade. A qualidade de vida, o desenvolvimento da cidade, é definido nmeste plano para a próxima década.
Leia a íntegra do post do promotor Orlando Bastos Filho no Twitter: “Ao ensejo do novo Plano Diretor, vivemos momento ímpar de necessidade de participação popular. É ora de discutir que cidade queremos. Relevante a metragem MÁ­nima de lotes, diretamente relacionada à qualidade de vida, e quanto maior melhor, preservada área não edificandi. Lotes menores despertam interesses setorizados, mas em prejuízo da qualidade de vida. Não acolhe o discurso preço, acessível ao pobre. Penso que a questão preço será definida pelo mercado, seja qual for a metragem do lote, 150 ou 200 metros. Para vender o preço terá que ser aquele que cabe no bolso do comprovador, seja qual for o tamanho, e este é definição de política social. Desta forma se o que cabe no bolso é o que se cobra por 150, o mesmo valor será mantido para 200. Ou deixará o empreendedor de vender!”

Conheça o promotor que interpretou a lei em prol do atropelador que matou seis pessoas na Raposo Tavares

Este é Eduardo Francisco dos Santos Júnior. Ele é Promotor de Justiça em Sorocaba. Tem em sua carreira o Título de Mestre em Processo Civil pela PUC/SP. Ele é professor de Direito Processual Civil do Complexo Educacional Damásio de Jesus e também da Fadi (Faculdade de Direito de Sorocaba). Foi graças a interpretação dele que a justiça concedeu liberdade ao comerciante Fábio Hiroshi Hattori, 27 anos, responsável pelo acidente que matou seis jovens e feriu outros seis na rodovia Raposo Tavares, por atropelamento na manhàdo último dia 6, em Sorocaba. Hattori estava com o nível de álcool no sangue bastante acima do que permite a leei (alguns chegaram a dizer que tinha 12 vezes mais que o permitido, outros que havia 2 vezes mais, o fato é que ninguém constestou o bafômetro). A decisão da juíza Adriana Furukawa, da Vara do Tribunal do Júri de Sorocaba, se baseia na alteração do caso efetuada pelo promotor Eduardo. Ele desqualificou de dolosa para culposa a conduta do Hattori e em entrevista coletiva realizada no salão do júri, assim o promotor se explicou: “houve culpa consciente na modalidade imprudência, mas não houve dolo”. Segundo o professor, mestre e promotor Eduardo, o dolo eventual exige que o agente preveja o resultado e não se importe com o resultado, como num caso de “roleta-russa”, em que se aperta o gatilho sem se importar com o fato de a arma vir a disparar, e suas consequências. No quesito culpa, o promotor explicou que o agente pode até imaginar o resultado, mas não acredita que ele ocorra. Como exemplo ele citou as pessoas que participam de uma festa de casamento, bebem e acham que podem dirigir sem causar nenhum acidente.
Então tá. No Brasil está claro: Basta a alguém que matou seis pessoas encontrar um promotor que interprete o fato à sua ótica, baseado na legislação obviamente, para se beneficiar perante a pena e culpa. Do ponto de vista da própria consciência de Hattori, ainda não sei o que ele fez. Mas sei que está sofrendo muito. Não sei se mais, menos ou igual aos familiares dos seis mortos e seis feridos pelo seu ato bêbado ao volante do seu carro.

Lentidão da justiça impede licitação para retomada de obras em estação de tratamento de Sorocaba

O vereador José Crespo (DEM) questinou o ex-diretor do Saae, Wilson Unterkircher Filho, sobre a despoluição do Rio Sorocaba e revelou denúncia do ambientalista Cláudio Robles de que em toda a Região Leste de Sorocaba, que compreende os afluentes do lado direito do Rio Sorocaba, não tem tratamento de esgoto. O ex-diretor do Saae contestou essa informação, afirmando que apenas um trecho, que compreende Aparecidinha, Brigadeiro Tobias, Éden e Cajuru, terá seu esgoto coletado através de ramais para ser tratado na Estação ABC (Aparecidinha), que está paralisada por problemas com a empresa construtora. Os demais bairros, segundo ele, têm seu esgoto recolhido por coletores troncos e encaminhado para tratamento.
A verdade é que a construtora contratada na administração de Vitor Lippi não terminou a obra desta ETA. O prefeito Pannunzio pediu na justiça em março de 2013 para que a justiça liberasse a prefeitura para fazer uma nova licitação e retomar essa obras. Mais de um ano depois ainda não obteve resposta da justiça. A alegação é que o local está passando por Perícia para atestar se a Prefeitura deve algo à construtora ou a construtora à municipalidade. Essa lentidão da justiça (para as necessidades da cidade ao menos) impede que o rio esteja 100% despoluído.

Do ponto de vista técnico, tarifa de ônibus de Sorocaba deverá ter aumento. Do ponto de vista político ainda não há definição

O prefeito Pannunzio está debruçado sobre uma decisão política, pois do ponto de vista técnico não resta mais dúvida: a tarifa de ônibus de Sorocaba deve ter reajuste. Semana passada o presidente da Urbes (empresa pública que cuida do trânsito e transportes), Renato Gianolla, já sinalizou o prefeito sobre essa necessidade, mas não encaminhou oficialmente a planilha. No ano passado, para evitar o reajuste da tarifa em 20 centavos, a prefeitura incorporou em seus gastos R$ 12 milhões. Neste ano a previsão é de que sejam pelo menos R$ 14 milhões para manter a tarifa sem aumento. Em 2013, os protestos de junho pelo Brasil e a decisão do governador do Estado e do prefeito da Capital, de voltarem atrás na decisão de reajustar a tarifa, ajudou o prefeito de Sorocaba a também voltar atrás. Mas e agora? Sorocaba registrou nos últimos doze meses 4,7milhões viagens mês, um aumento de 3,5% em relação a 2012.

Perícia judicial tenta descobrir se os R$ 10 milhões pagos pelo Saae de Sorocaba por obras em Estação de Tratamento foram de fato realizadas

Nem mesmo o Saae (Serviço Autônomo de Água e Esgoto) sabe quanto, das obras contratadas para reformar as adutoras e ampliar o sistema de tratamento de água bruta na ETA do Cerrado, foram efetivamente concretizadas pela empresa ECL Engenharia e Construções Ltda., que abandonou o empreendimento em dezembro de 2012, alegando desequilíbrio econômico-financeiro do contrato, que previa pagamentos da ordem de R$ R$ 28.842.646,71.
Para chegar a uma conclusão sobre essa dúvida, está sendo realizado um inventário das obras na ETA do Cerrado por um perito indicado pela Justiça, acompanhado pela Diretoria Operacional de Água do Saae. Somente após esse levantamento, será possível saber o que a ECL fez na ETA, o que é fundamental para poder realizar nova licitação, indicando quais obras e serviços deverão ser prestados pela nova empreiteira.
Essa foi uma das conclusões às quais chegaram os membros da CPI do Saae, após informações obtidas junto a Reginaldo Schiavi, Diretor de Produção do Saae, que recepcionou o vereador Carlos Leite (PT), Presidente da CPI, e os assessores dos demais membros, em diligência realizada na manhàde quarta-feira (19/3/14) à ETA.

Pai de assessor me escuta no rádio e fica curioso

Na noite de quarta-feira bastante por acaso eu soube da exoneração de Hélio Godoy e como jornalista quis anunciar tal fato (ainda era sigilo). Para issso telefonei ao colega de rádio Ipanema, Paulo Roberto Júnior, comandante da equipe Ipa e Bola, que naquele momento estava no ar transmitindo ao vivo o jogo entre São Bento e Ferroviária, no CIC. Expliquei a ele o que ia anunciar e de imediato ele me chamou até a cabine número 20 do estádio municipal. Se passavam dos 30 minutos de jogo do 2º tempo (por volta das 21h30) e quando ia anunciar recebi um pedido para segurar a informação, afinal ela seria revelada somente hoje (leia a postagem Vereador mais votado em 2012 mostra habilidade política em sua exoneração). Assim fiz, mas como já havia sido chamado para o ar com Paulo Roberto fui vago na informação dizendo que a chance de mudanças era enorme tanto no secretariado de Pannunzio quanto na Câmara. O pai de um assessor do prefeito Pannunzio estava ouvindo a transmissão do jogo e quando o filho chegou em casa queria saber em primeira mão do que se tratava. Na quinta-feira, na Câmara, Godoy revelou o que era fato desde quarta. Na foto, estou eu e Hélio Godoy na gravação da entrevista que fiz com ele no canal 23 da Net, a TVR.

O Parque Tecnológico de Sorocaba é importante para o futuro da cidade, mas essa compreensão ainda não existe

Um leitor meu, Clóvis Oliveira, fez o seguinte comentário quando contei que o prefeito Pannunzio passeou de bicicleta no Parque Tecnológico de Sorocaba: “Puxa, que bom, agora sabemos qual a utilidade do Parque Tecnológico, além de cabide de emprego para ex-prefeito…”
Essa mensagem me diexa claro que se Pannunzio tivesse nomeado Lippi para outro cargo, o sorocabano teria outra ideia do parque. Como o ex-prefeito não dissociou o parque de sua atividade de candidato (usa o parque como vitrine de sua atuação como homem público e recebe dezenas de políticos e presidentes de associação de bairro no local) é justo que o cidadão comum tenha essa visão de que o parque é apenas um cabide de emprego. Não é. O Parque Tecnológico de Sorocaba é importante para o futuro da cidade.
E a visita que aproximadamente cinco mil alunos da rede municipal estão fazendo no local, onde irão conferir de perto a exposição do artista plástico uruguaio, Juan Muzzi (criador da bicicleta usada por Pannunzio) é um marco na vida delas. É um elemento de estímulo. Assim foi comigo. Me lembro quando ainda estava no chamado parquinho, na Vila Santana, e fui numa excursão ao recinto da antiga Fapis. Hoje tenho a consciência de que aquela visita me deu a informação (que só captei mais tardde obviamente) da dimensão do mundo.
Em abril o ex-prefeito deixa o O Parque Tecnológico. Tomara que um técnico assuma o local e não mais um político. Esse será o primeiro passo para que o sorocabano também comece a ter a dimensão da sua importância para o nosso futuro.