Conservadores querem promotor como candidato a prefeito de Sorocaba

O promotor de Justiça da Vara da Infância e Juventude do Ministério Público em  Sorocaba, Antônio Domingues Farto Neto – que ganhou fama nacional depois de ter sido acusado pelo Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo de censurar e editar a manchete da edição do jornal Cruzeiro do Sul um dia após ocorrer a greve geral convocada pelas centrais sindicais em todo o país em 28 de abril de 2017 e, por isso, ter sido alvo de investigação da Corregedoria do Ministério Público do Estado de São Paulo – é o preferido de uma corrente de pessoas que se auto intitulam conservadoras para ser candidato a prefeito de Sorocaba na eleição de 2020.

O assunto já é tratado de forma aberta entre membros da maçonaria de um modo geral, mas até semanas atrás era assunto sigiloso apenas entre os membros da Loja Maçônica Perseverança III, a mais tradicional de Sorocaba e instituidora da Fundação Ubaldino do Amaral que é mantenedora do jornal Cruzeiro do Sul.

Farto Neto representaria na eleição para prefeito a corrente de eleitores que apoia as idéias, preceitos, valores e moral pregada pelo presidente Jair Bolsonaro.

Sua maior dificuldade, neste sentido, seria romper com os seus pares, pessoas que têm um pensamento perto do seu, mas que por circunstâncias históricas estão alojados em partidos tradicionais como o PSDB, por exemplo. Se para as gerações mais novas, de jovens na faixa dos 20 anos, é fácil chamar o PSDB de esquerda e considerar lideranças do partido, como Alckmin e Fernando Henrique como comunistas iguais a Lula, por exemplo, para pessoas de gerações mais velhas, na faixa entre 50 e 60 anos, como é o caso de Farto Neto, isso não faz sentido algum.

A verdade é que se vier a ser sacramentada a entrada de Faro Neto neste tabuleiro do jogo da sucessão eleitoral em Sorocaba, necessariamente as estratégias passarão a ser outras.

Por enquanto, o jogo está entre partidos x nomes.

Já se anunciaram: PSDB (com a deputada estadual Maria Lúcia Amary e o apoio explícito do deputado federal Vitor Lippi; o secretário estadual da Habitação, Flávio Amary ou, ainda, algum nome novo) e PT (que sempre tem um candidato, sendo no momento, o nome mais cogitado o de Paulo Henrique Soranz, secretário de Igualdade e Assistência Social da Prefeitura de Sorocaba).

Entre os nomes, estão no tabuleiro o da prefeita Jaqueline Coutinho (PDT). O vereador Manga (hoje no DEM, mas na eleição no PRB). O ex-deputado estadual Raul Marcelo (PSOL). E agora Farto Neto (provavelmente no PSL).

Comentários

Leia também