Deputados demonstram firmeza sobre Reforma da Previdência

Os deputados federais Jefferson Campos (PSB) e Vitor Lippi (PSDB), ambos de Sorocaba, toparam o convite para participar de uma conversa com os integrantes da Associação Comercial de Sorocaba sobre a Reforma da Previdência, projeto que vem mobilizando o Congresso Nacional e os governos (Temer e agora Bolsonaro) nos últimos dois anos.

O evento aconteceu na manhã desta sexta-feira e ficou claro o quanto os dois – que terão a responsabilidade, junto de todo o Congresso, de votar este tema – estão convictos da necessidade de modificação neste setor (para diminuir a diferença entre o dinheiro que é arrecadado e o que é gasto com o pagamentos das aposentadorias) e demonstraram firmeza sobre esta convicção.

O mais importante, porém, é que ambos também demonstraram estar abertos sobre qual Reforma da Previdência aprovar. O presidente enviou um desejo dele, mas já são mais de mil emendas dos parlamentares que buscam modificar o projeto, em especial, no que diz respeito não apenas a previdência (pagamento dos aposentados), mas da seguridade social (amparo aos que mais precisam).

Ambos também deixaram claro que a Reforma da Previdência tem pelo menos 3 eixos centrais: A) Idade mínima para o aposentado começar a receber o benefício: 65 para homens e 62 anos para mulheres. E ambos entendem que será necessário um debate para se fechar questão sobre estas idades, tipo de trabalhador e de atividade; B) Aproximação das aposentadorias de quem é da iniciativa privada (CLT – Consolidação das Leis do Trabalho) e funcionário do serviço público. Há chance da reforma atingir o funcionário federal e deixar para que Estados e Municípios se entendam com os seus funcionários respectivamente; C) Passagem do atual sistema para a Capitalização. Neste ponto, Jefferson Campos disse ter posição fechada e ser contrário. Lippi ponderou que 30 países no mundo adotaram este sistema e em 15 deu certo e nos outros 15 nem tanto e que ele está estudando sua posição.

A iniciativa da Associação Comercial de Sorocaba, e isso ficou claro no posicionamento do seu presidente, Sérgio Reze, vem ao encontro dos anseios de toda a população brasileira, por consequência da sorocabana, uma vez que a Reforma da Previdência terá impacto sobre ela, sejam trabalhadores, empreendedores, empresários. É absolutamente saudável, portanto, que o tema seja exposto e debatido. Daí a importância de Lippi e Jefferson terem tido a coragem de expor o que sentem em relação ao tema como fizeram na manhã desta sexta-feira.

Membros da CUT (Central Única dos Trabalhadores) e sindicatos ligadas a ela, como dos Metalúrgicos, dos Jornalistas e dos Trabalhadores em Transporte, estiveram presentes no evento da manhã desta sexta-feira e tiveram voz para externar não apenas sua preocupação, através de perguntas que foram encaminhadas e feitas aos parlamentares, mas seu posicionamento contrário à Reforma da Previdência.

Além de comerciantes, também estiveram na plateia o presidente da diretoria regional do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo); Erly De Syllos; os vereadores José Francisco Martinez (PSDB) e Iara Bernardi (PT), o ex-prefeito Paulo Mendes, o ex-vereador Izídio de Brito.

O deputado federal Guilherme Derrite (PP), que é sorocabano, está em seu primeiro mandato e assim como Jefferson e Lippi terá a responsabilidade de votar a Reforma da Previdência, também recebeu o convite da Associação Comercial de Sorocaba para participar do debate na manhã de hoje, mas declinou, alegando que havia assumido compromisso em outra agenda.

Comentários

Leia também