Nenhum voto futuro de Hergezel modificará o seu voto favorável a Manga

Os vereadores da Câmara Municipal de Sorocaba autorizaram a Prefeitura de Sorocaba a contratar um empréstimo de 56 milhões dólares (algo em torno de 290 milhões de reais em cotação de hoje) de duas instituições financeiras internacionais. O pagamento desse empréstimo, quando começar a ser feito, será pela cotação do dólar do dia, ou seja, se o dólar estiver abaixo da cotação de hoje terá sido uma boa decisão, do contrário serão necessários muitos cálculos para se obter a resposta.

O fato é que o dinheiro arrecadado pelo município está praticamente todo comprometido, carimbado como se diz, com os custos da saúde, educação e folha de pagamento do servidor. Ou seja, sem este dinheiro do empréstimo o prefeito fica, praticamente, sem ter como investir. O prefeito Lippi fez empréstimo parecido com esse em 2008. O prefeito Pannunzio não fez empréstimo. O prefeito Crespo tentou que a Câmara aprovasse tal empréstimo, mas não obteve sucesso, inclusive o então vereador Manga, votou contra. Agora prefeito, Rodrigo Manga foi quem pediu que a Câmara aprovasse o empréstimo.

O resultado da votação não chegou a surpreender. Ficou claro que o prefeito Manga fez uma boa amarra com os vereadores que apoiaram Cláudio do Sorocaba 1 na eleição para presidente do Legislativo, quando ele se elegeu com facilidade para o cargo. Dessa vez, porém, seriam necessários 14 votos a favor do projeto do empréstimo e ao menos 7 vereadores não são dessa base de apoio a Manga.

A pergunta, então, é como Manga conseguiu que a oposição ficasse apenas com 6 votos e não com 7 que, na teoria, é o que existe entre os 20 vereadores?

Cinco dias depois da votação, ocorrida no dia 8, as explicações que observei até agora não me satisfazem. Há uma opinião unânime de que o PDT traiu a oposição, de que o vereador Salatiel Hergezel, único eleito pela legenda, é um vendido, direitista, e uma série de outros impropérios, para explicar o motivo dele ter dado seu fato favorável ao empréstimo.

Primeiramente é preciso lembrar que todos os 20 eleitos estão enquadrados em algum sufixo Ista (lembrando que este sufixo é usado para formar adjetivos e nomes que exprimem a noção, no caso dos vereadores, da ocupação ou ofício deles que são, em síntese, Assistencialistas ou Sindicalistas). Talvez estejam fora desta lógica os três jovens eleitos Vinícius Aith (PRTB), Ítalo Moreira e Dylan Dantas (ambos do PSC) que receberam votos ideológicos dos eleitores de extrema-direita, que se identificam com o presidente Jair Bolsonaro e suas idéiais e ideais.

Salatiel Hergezel, que vem sendo malhado pelo seu voto, pertence a um partido de esquerda (PDT) e defende uma ideologia contrária ao do prefeito Manga que não esconde de ninguém seu orgulho em ser bolsonarista. Daí a estranheza do seu voto. Mas, antes de ser um político – é sua primeira eleição para vereador – ele é sindicalista. Foi eleito para a Câmara na esteira do seu mandato como presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais da Prefeitura de Sorocaba. Entre a sua ideologia e o pragmatismo de classe, prevaleceu essa última. Ou seja, no raciocínio do sindicalista Hergezel, com o dinheiro do empréstimo ficará mais difícil para o prefeito Manga negar aumento nos salários dos servidores públicos.

Este episódio apenas prova o dito popular “quer mudar uma pessoa, mexa no seu bolso”. A ideologia do combate e resistência aos ideais e idéias do presidente Bolsonaro ficaram em segundo plano. Mesmo que Hergezel diga aos seus colegas de PDT que até o fim do seu mandato ele não votará mais em sintonia com Manga, isso de nada adiantará. Para ser um bom prefeito, Manga sabe que precisa de dinheiro e agora ele tem. À imprensa, o prefeito Manga disse que usará o dinheiro do empréstimo no Programa Sorocaba Tem Pressa, dentro do Plano Desenvolve Sorocaba, em obras públicas no sistema viário, de lazer e de iluminação.

Nenhum voto futuro de Hergezel modificará o seu voto favorável ao empréstimo, que vai dar o tom do governo Manga. Um governo que vai trabalhar pela reeleição de Bolsonaro em 2022. E se alguém tem alguma dúvida disso, lembro um episódio ocorrido na campanha eleitoral: Um amigo sorocabano, advogado, estava um final de semana no Guarujá e lá se encontrou ao acaso com o presidente Bolsonaro. Conversa daqui e dali e o presidente pergunta de onde ele é. Meu amigo respondeu que é de Sorocaba e Bolsonaro, deixando de lado o seu jeito brincalhão de até então, virou para este amigo, de forma séria e disse: lá vocês (bolsonaristas) têm o dever de derrotar o candidato do Dória. Não sei nem quem é. Mas ele precisa ser combatido. Ele não pode ir nem ao 2º turno. O resultado, todos conhecem, o candidato do Dória (por mais que ele tenha ficado escondido na sua campanha) perdeu. Maria Lúcia Amary, deputada estadual por cinco mandatos, a candidata tucana esteve sempre perto de ir ao 2º turno, mas ficou pelo caminho.

Não se iludam: Cada vitória do Manga, será uma vitória de Bolsonaro em Sorocaba. Os maçons da Loja Perseverança III, que escancaradamente demonstram apoio a Bolsonaro em seu jornal, o Cruzeiro do Sul, entraram de cabeça no governo Manga com este propósito, nenhum outro. Bolsonaro convenceu expressiva parcela da sociedade de que estamos em guerra contra o comunismo (???) e essa parcela está na guerra, uma guerra que não permite espaço para o pragmatismo de classe do voto de Hergezel.

Comentários

Leia também