Para empresários sorocabanos, eleição de Bolsonaro livra país do comunismo

Os empreendedores Antônio José Ayub, fundador e gestor do Grupo SAF que envolve Veículos e Mercado Imobiliário, e Manoel Júlio Filho, empresário da segunda geração da família a frente da Júlio & Júlio, grupo que atua em Pedreira, Loteamento e Construtora, foram os convidados a 75ª edição do “Café da Manhã de Negócios”, da Associação Comercial de Sorocaba, ocorrido nesta semana.

A reunião de dois grandes líderes do seu setor é chamado de Talk Show e tem o objetivo de levar os convidados a externar o sentimento sobre o momento econômico do país, a provocar a reflexão dos convidados e a contarem um pouco de sua trajetória com o intuito de inspirar as pessoas que vão assistir.

Para participar, o interessado precisa fazer previamente a sua inscrição e ter relação com alguma das milhares de empresas ligadas com a Associação Comercial. O encontro no formato Talk Show foi a terceira experiência, sendo que antes de Toninho Ayub e Mano Júlio já participaram do evento os empresários José Vicente de Souza Filho, o Zezinho da Padaria Real, junto de Luiz Alberto Reze, do Grupo Abrão Reze; e Flávio Amary (na época presidente do Secovi, Sindicato da Habitação, com Luiz Leite, professor e ex-secretário municipal).

O presidente da Associação Comercial, Sérgio Reze, fez a abertura e encerramento do evento e lembrou da importância desse tipo de evento, onde é possível conhecer formas diversas de trabalho, de empresários e visões de negócio: “Cada pessoa tem um caminho de sucesso, não é único o caminho para o sucesso”.

O “Café da Manhã de Negócios” da Associação Comercial, no formato Talk Show, tem a mediação deste blogueiro, cujo a função é estimular e provocar os debatedores a abrirem seu coração ao curioso público que acompanha o evento.

Está tudo bem?

Sempre começo uma entrevista desse tipo, como a conversa com duas grandes lideranças do setor comercial e empresarial, com essa singela pergunta por entender que ela é de uma amplitude sem fim independentemente de qual seja a resposta do entrevistado.

E assim fiz na quinta-feira passada tanto para Mano Júlio quanto para Toninho Ayub. O primeiro na faixa dos 60 anos e que herdou do pai a empresa; o segundo na faixa dos 80 anos e que construiu o seu império tendo começado como varredor de rua em Pilar do Sul, cidade onde foi eleito prefeito por duas vezes.

E Mano Júlio deu o tom com um singelo e curto sim, tudo bem? O que levou ele, após um ou dos cutucões, a se abrir de maneira tão espontânea e cheia de energia que quando ele acabou de falar, o auditório inteiro estava aplaudindo ele.

Em resumo, para Mano, a eleição de Bolsonaro significa a inbterrupção de um processo que estava levando o Brasil ao comunismo. Ele disse que a teoria do comunismo é linda, e contou de sua experiência nos anos 80 nas visitas que fez à Rússia, Polônia, Tchecoslováquia e Alemanha Oriental (então país das União das Repúblicas Socialistas Soviéticas). Mas a prática é outra e o livre mercado é o que de fato dá liberdade para as pessoas serem o que desejam ser. Fez elogios sem fim ao ministro da Economia, Paulo Guedes, sugerindo que as pessoas procurem no YouTube e assistam a palestra do ministro sobre o que será o Brasil da livre iniciativa, feita ao Grupo XP. É entusiasmante, explica Mano Júlio. Para ele, o trabalho de reconstrução do Brasil está só começando e vai levar dez anos para que o país volte a prosperar.

Toninho Ayub, mais crítico de Bolsonaro e mais cético do Mano Júlio, acredita que o Brasil só voltará ao patamar de crescimento e pleno desenvolvimento só daqui a 40 anos. Mas, num ponto, ele concordou com Mano Júlio: nas severas críticas ao PT e na mudança da lei de financiamento de campanha: Antes, quando podia doar em aberto, os empresários eram achacados pelos políticos, algo voraz, sem fim, de medo, ameaça. Isso mudou, graças a Deus, disseram ambos.

Estilo de gestão

Na maior parte da palestra, que durou quase duas horas, Mano Júlio e Toninho Ayub contaram sobre a forma de administrar, a trajetória da construção das empresas de cada um e particularidades que emocionaram o público mais de uma vez e em outros momentos levaram todos a gargalhar de tão engraçado que foram as falas.

Comentários

Leia também