Sorocabano ganha Ordem do Mérito Judiciário

O Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região concedeu ao sorocabano José Eduardo de Souza, o Doia, um dos proprietários da Padaria Real, o Grande Colar da Ordem do Mérito Judiciário da Justiça do Trabalho, a mais alta condecoração daquele tribunal. A homenagem é um reconhecimento à gestão de pessoas com deficiência na equipe da padaria, que tem como missão promover não só o devido acolhimento e desenvolvimento profissional das pessoas com deficiência, mas também a sua integração social com os demais colaboradores.

A cerimônia foi realizada na última quinta-feira no plenário do TRT, em Campinas, em solenidade de entrega dirigida pela desembargadora Gisela Rodrigues Magalhães de Araújo e Moraes, presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região, que comentou: “Quanta coisa boa se faz nesse país em troca de felicidade, em troca do amor ao próximo. Isso é uma lição de vida para nós todos. Exemplo a ser seguido.”

Presente na cerimônia, o ministro do Superior Tribunal do Trabalho, João Batista Brito Pereira, a propósito do recém-comemorado Dia Internacional da Mulher, enalteceu o protagonismo feminino à frente dos órgãos da Justiça do Trabalho. Destacou a liderança da desembargadora Gisela Moraes na presidência do TRT da 15ª Região, das mulheres que compõem 80% dos cargos da administração desse órgão e das mulheres aprovadas no mais recente concurso promovido pelo Conselho Superior da Justiça do Trabalho para ingresso na magistratura: “Elas ocuparam os primeiros lugares nos quadros geral, das cotas destinadas aos candidatos negros e das cotas para os candidatos com deficiência”, relatou o ministro.

Doia atribuiu o reconhecimento a todo trabalho realizado em equipe, especialmente aos líderes dos diversos setores da Padaria Real que promovem não só o devido acolhimento e desenvolvimento profissional das pessoas com deficiência, mas também a sua integração social com os demais colaboradores. Doia lembrou também da fundamental contribuição da assessoria que vem recebendo há seis anos da Consolidar, empresa especializada em processos de gestão da diversidade e inclusão, fundamental para bem administrar a quantidade de colaboradores ocupantes das cotas, pouco acima das expressas em lei: 31 vagas para pessoas com deficiência num total de 728 existentes atualmente. Doia ainda ressaltou o compromisso da sua família com a inclusão: “Sempre tivemos em mente o valor de cada pessoa, independente da sua condição. Isso aprendemos com meu pai, que sempre acreditou, contratou e orientou o trabalho de pessoas com deficiência, desde a fundação da Padaria Real, há 63 anos. É maravilhoso que cheguemos a esse momento. E que todos vejam que um mundo melhor é plenamente possível”, afirmou

O patriarca da família, José Vicente de Souza, acompanhados dos filhos, netos e de colaboradores da Padaria Real, emocionou-se com o reconhecimento: “Ficamos extremamente felizes pela homenagem, simbolizada pelo Grande Colar. Mas, especialmente, pelas palavras da doutora Gisele, que alcançou o propósito do nosso coração.”

Série de homenagens

A outorga do Tribunal Regional do Trabalho dá sequência a uma série de repercussões positivas em diferentes esferas. A de maior amplitude ocorreu há pouco mais de quatro meses, quando a Padaria Real recebeu o prêmio “Reconhecimento Global – Boas Práticas para Trabalhadores com Deficiência”, na sede da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York. Na esfera nacional, o Tribunal Superior do Trabalho, na pessoa do ministro do Trabalho Cláudio Mascarenhas Brandão, especialista em inclusão, realizou uma visita técnica na unidade matriz da Padaria Real para verificação dos procedimentos de inclusão em funcionamento na área de produção. Localmente, pela conquista do prêmio da ONU, o prefeito de Sorocaba, José Caldini Crespo, congratulou os dirigentes da Padaria Real e condecorou cinco dos colaboradores com deficiência com o broche oficial da cidade, entregue em um encontro realizado em seu gabinete.

FOTO: Marisa Souza Vieira, José Eduardo de Souza (Doia), desembargador do TRT 15 João Batista Martins César, José Vicente de Souza Júnior e Lygia Souza Carmona

Comentários

Leia também