Barros Munhoz e o destino de Rodrigo Garcia

Lideranças do PSDB da Capital, Grande São Paulo e Interior do Estado reuniram-se em São Paulo ontem (11/04/22) e, segundo nota oficial divulgada após o evento, decidiram:

1 – Permanecer no PSDB e criar o Movimento Raiz Social-Democrata para resgate dos princípios que nortearam a fundação do PSDB, disputando espaços nos órgãos partidários;

2 – Apoiar a candidatura de Rodrigo Garcia ao Governo de São Paulo pelo PSDB;

3 – Apoio integral à decisão da Federação PSDB-Cidadania com os Partidos União Brasil e MDB de construir uma candidatura única do Centro Democrático à Presidência da República;

4 – Indicação de José Aníbal como pré candidato ao Senado pela coligação em São Paulo, com apoio e engajamento total do Movimento Raiz Social-Democrata (MRSD).

Num outro trecho, a nota oficial informa que as decisões acima foram tomadas em razão de:

1 – Uma profunda preocupação com o desempenho do candidato a Presidência da República, João Dória, nas pesquisas eleitorais e que essa situação pode prejudicar tanto os candidatos do PSDB aos Governos  Estaduais como os candidatos ao Senado e a Câmara Federal em todo o país;

2 – O apoio a eleição do candidato Rodrigo Garcia ao Governo de São Paulo significa a defesa e continuidade do legado do PSDB no Estado;

3 – O engajamento nas campanhas dos candidatos da Federação PSDB-Cidadania nessas eleições ser fundamental na defesa da Social-Democracia;

4 – Mirar nas redes sociais apenas assuntos voltados às candidaturas do Centro Democrático e fugir da polarização Lula x Bolsonaro, não entrando na “política do ódio”.

Entre os participantes desse encontro, o ex-prefeito de Sorocaba e deputado federal por quatro mandatos, Antônio Carlos Pannunzio.

A coincidência é que eu recebi essa nota oficial instante depois de terminar a conversa com um experiente político sorocabano, que já presidiu o Legislativo local. Ele havia me dito que Rodrigo Garcia está nesta eleição para o PSDB como Barros Munhoz esteve para o PMDB. Ou seja, no papel Garcia tem o apoio de mais de 400 prefeitos, o que é um apoio e tanto para chegar no 2° turno. Munhoz também teve apoio no papel e encerrou, numa derrota acachapante quando concorreu ao governo, o ciclo peemedebista no Estado. Será esse o mesmo destino de Garcia? Esse meu amigo, sentenciou: esses prefeitos são todos mentirosos.

O teor da nota acima dos tucanos, fundando o Movimento Raiz, me deixou com a sensação de que eles estão com o mesmo temor de que Garcia seja o Munhoz da vez.

Comentários

Leia também