A malfadada tabelinha do líder

O presidente da Câmara Municipal de Sorocaba, vereador Fernando Dini, convidou o secretário de Esportes e Lazer da Prefeitura de Sorocaba, Simei Lamarca, a ocupar a tribuna durante a sessão ordinária desta terça-feira, 19, com o objetivo de convidar os vereadores e a população para prestigiarem a abertura do Cruzeirão 2019, o mais tradicional evento de futsal da cidade, nascido na década de 60 e que ano após ano reúne os aficionados pelo esporte.

Ou seja, um momento de festa, congratulações e amenidades. Todos os vereadores entenderam o momento e fizeram elogios a Simei, ao Cruzeirão, ao momento pelo qual passa a gestão de esportes na cidade. Menos um, justamente o líder do prefeito na Câmara, vereador Irineu Toledo. Ele quis improvisar e, obviamente, fez com que Simei também improvisasse.

Irineu quis saber a opinião do secretário a respeito do projeto de terceirização do CIC (o estádio municipal Walter Ribeiro, local onde o São Bento manda seus jogos profissionais) que estava na pauta da sessão de hoje, mas não entrou em votação por falta de tempo.

Ficou evidente que Simei levou um susto com a pergunta. E improvisou nas palavras com a sinceridade que lhe é peculiar. Começou dizendo que a votação não era um problema dele, mas de Flávio Chaves, secretário que tem a função de fazer o relacionamento entre os vereadores e o prefeito. Depois, disse que ele, como ex-atleta, pessoa ligada ao esporte, entendia que a terceirização não era boa. Mesma compreensão do jornalista responsável pelo relise oficial da Câmara de Vereadores: “a situação econômica do país dificulta a terceirização do estádio”.

Conhecendo o talento de Simei com a bola nos pés, ficou claro que ele havia tropeçado nas palavras ao ser chamado de improviso pelo líder do governo que ele serve para se expressar sobre tema tão polémico – já se passou mais de um ano desde que esse projeto entra e sai da pauta da Câmara – e decidi falar com ele. E então ele conseguiu dizer o que pensa: ele é favorável ao projeto do prefeito de terceirizar o CIC, entende que isso será positivo para o esporte, mas acredita que as emendas que modificaram o projeto original afastam empresários interessados em assumir o comando do estádio municipal. Ou seja, Simei não tem opinião contrária à do prefeito e, muito menos, defendeu que os vereadores votassem contra o projeto do prefeito como denotou sua resposta ao questionamento do vereador líder do governo que ele serve.

Perguntei a um interlocutor do prefeito como ele havia interpretado a malfadada tabelinha no plenário da Câmara entre seu líder e seu secretário e ele teria reagido assim: “sei lá…”

Haverá tempo, até que o projeto volte a ser colocado em pauta, para Simei se explicar aos vereadores, dizendo que é favorável ao projeto.

Comentários

Leia também