Dini segura nomeação de Cíntia e investigação contra Crespo é mantida

A estratégia de embolar a Comissão Processante contra o prefeito Crespo (leia a postagem seguinte) só não deu certo por alguns minutos. Ou por detalhes. Ou como diria Garrincha a Feola na Copa do Mundo de 1958: faltou combinar com os russos: Reza a lenda que na copa de 58, o técnico Feola bolou um esquema infalível contra a seleção soviética. Nilton Santos lançaria a bola pela esquerda para Garrincha, que driblaria 3 russos e cruzaria para Mazzola marcar de cabeça. Não deu certo e Garrincha, em sua inocência, disse… Só esqueceram de combinar com os russos.

Quando Cíntia de Almeida protocolou seu desejo, garantido por lei, de assumir sua vaga de vereadora – ela é suplente do titular Marinho Marte, afastado da vida pública por decisão judicial, e ocupava cargo de secretária do governo Crespo o que levou o segundo suplente, Rafael Militão, a exercer o cargo de vereador – caberia ao presidente do Legislativo, Fernando Dini, lhe dar a posse. Isso aconteceu, mas não imediatamente, como constava na estratégia inicial, levou quase uma hora para tal fato.

Nesse período entre o protocolo de Cíntia e sua nomeação, os três vereadores da Comissão Processante – Nenê Silvano (presidente), Hudson Pessini (relator) e Rafael Militão – se reuniram e assinaram o relatório da comissão, que estava prevista para se reunir às 14h, dando continuidade as investigações da Comissão Processante, ou seja, não arquivaram, como era o desejo do prefeito, o processo.

A intenção era que Cíntia pedisse a vaga de Militão na Comissão Processante e o presidente dela, Nenê Silvano, aceitasse, o que daria tempo dela se inteirar de todo o processo antes de deliberar, ou negasse, dizendo que era preciso sortear outro vereador, fato que acabou acontecendo.

Isso tudo teria sentido, caso a comissão não tivesse deliberado, mas como deliberou, prevalece a soberana decisão dela. Ao menos essa é a tese da Comissão Processante que, suponho, tenha o aval da Secretaria Jurídica da Câmara.

E dai?

Na prática e de imediato, aparenta ter sido inócua a exoneração de Cíntia de Almeida do cargo de secretária. Mas, pelo que está em jogo (ficar ou sair do cargo de prefeito e saindo quem ocupa a vaga) e quem está jogando (os vereadores interessados em fazer de Dini prefeito, os vereadores interessados em fazer da vice a prefeita e dos vereadores entendendo que Crespo deve seguir prefeito) o ato de hoje deverá significar alguma coisa no futuro, seja na votação em plenário, seja na Justiça após a decisão do plenário.

O papel do MDB (Militão, Dini, Cíntia, Pessini são todos do partido) nesse processo, e os atos de hoje dão essa aparência (embora nem tudo que pareça seja, como escrevi em postagem de ontem), ou seja, que o objetivo é o de assumir agora o comando da prefeitura de Sorocaba, cassando o mandato de Crespo e para isso também o de Jaqueline.

Por fim, os vereadores estavam e continuam atuando no chamado “espírito de corpo” (como já falei em postagens anteriores). Me parece claro que o objetivo é que a opinião pública julgue a Câmara pelos seus atos e não vereador A, B ou C.

Comentários

Leia também