Diretório do PSDB faz reunião e foca na necessidade de candidaturas femininas

Entre as novidades da eleição para vereador neste ano está o número máximo de candidatos por partido ou coligação. Em cidades com mais de 100 mil eleitores, como é o caso de Sorocaba que tem mais de 450 mil eleitores, seja por partido ou coligação o número máximo de candidatos é de 150% em relação ao número de vagas a serem preenchidas. Ou seja, em Sorocaba são 20 vereadores, portanto no máximo por partido ou coligação serão 30 candidatos. Em 2012 esse percentual era de 200% e, portanto, chegavam a 40 candidatos. Há um agravante a mais na composição da chapa. A obrigatoriedade de que 30% sejam de mulheres, ou seja, necessariamente de uma chapa de 30 candidatos, 9 tem de ser do sexo feminino. Mas, por exemplo, se o partido ou coligação tiver apenas 3 mulheres como candidatas, o partido ou coligação somente poderá registrar a candidatura de 7 homens. Como uma chapa de vereador completa é condição para aumentar a competitividade do candidato a prefeito, é difícil imaginar que um candidato abra mão de sair com a chapa completa.

Pensando nessa matemática, o diretório municipal do PSDB, comandado por João Leandro da Costa Filho, secretário de governo da Prefeitura de Sorocaba, comandou reunião na noite de segunda-feira. A deputada Maria Lúcia Amary, a vice-prefeita Edith Di Giorgi, a secretária da Cultura Jaqueline Gomes ocuparam o palco e conduziram o debate sobre o tema. O objetivo é estimular as mulheres do partido a saírem candidatas. A primeira a perguntar na reunião foi a militante da Juventude45, Juliana Betti (foto), que quis saber sobre preconceito contra as mulheres na política e vida pública.

Em Sorocaba, na Câmara de 20 cadeiras, nenhuma mulher foi eleita em 2012. A tucana Neusa Maldonado ocupa a cadeira em razão do colega de partido, Yabiku, ser o secretário de Esportes.

Comentários

Leia também