Ex-pré-candidato do PMDB pede para não conceder entrevista hoje, mas se compromete em dar pronunciamento oficial nesta sexta-feira. Causa da saída é o tempo menor da justiça

No dia 19 de agosto de 2012, quando ainda corria o 1º turno do processo eleitoral daquele ano, o TRE (Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo) pedia a impugnação da candidatura de Renato Amary (PMDB) à Prefeitura de Sorocaba. Os desembargadores julgaram indeferido o seu registro na Justiça Eleitoral. Mesmo assim, Renato prosseguiu a campanha, já que ainda cabia recurso ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e, posteriormente, ao STF (Superior Tribunal Federal ). A decisão do TRE-SP reformava a decisão anterior, do juiz Pedro Luiz Alves de Carvalho da 137ª Zona Eleitoral de Sorocaba, que julgou improcedentes os pedidos de impugnação apresentados pelo PRP (coligado com o PSDB de Pannunzio) e pelo ex-vereador petista Arnô Pereira, que posteriormente ingressou no PSDB.

Pois bem, agora em 2016, não existem mais os prazos de 2012. Com a reforma eleitoral, a campanha tem 45 dias (eram 90) e a troca do candidato obrigatoriamente deve ocorrer com 20 dias de antecedência (eram 2). Para não correr risco de ser o candidato, tendo chance de ser eleito e não poder governar, Renato Amary retirou sua candidatura. Mas oficialmente, apenas nesta sexta-feira haverá um pronunciamento dele. Ele pede para não falar hoje.

Comentários

Leia também