Prefeitura, em parceria com o Ministério das Cidades e empresa da Alemanha, estuda revitalização da área central de Sorocaba com foco em três eixos: qualidade de vida, urbanismo e nova realidade social

Por iniciativa do vereador Hudson Pessini (MDB), a Câmara Municipal realizou na manhã desta quarta-feira, 28 de março, audiência pública para debater o plano de revitalização do centro comercial de Sorocaba que busca soluções para os problemas da região central do Município.

Além de Pessini, que presidiu a audiência, a mesa de trabalhos foi composta pelos vereadores José Francisco Martinez (PSDB) e Luís Santos (PROS), pelos presidentes do Sindicato do Comércio Varejista de Sorocaba, Fernando Soranz, e do presidente  da Associação Comercial de Sorocaba, José Alberto Cépil; pelo diretor do Instituto Defenda Sorocaba, Carlos Azevedo Marcassa, e ainda pelos secretários de Conservação, Serviços e Obras, Fábio Moreira Pilão e de Planejamento e Projetos, Luís Alberto Fioravante. Comerciantes e comerciários participaram do evento.

Realidade de hoje

Na abertura dos trabalhos, o parlamentar reforçou que o Centro de Sorocaba já abrigou 30 mil empregos e hoje são 11 mil vagas. “O centro começou a definhar, começou a atrair moradores de ruas e o regramento que mantinha ordem do centro deixou de existir”, ressaltou, lembrando ainda que o patrimônio histórico da cidade está concentrado na região central que abriga, entre outros prédios, o Palacete Scarpa, a Catedral Metropolitana e o Mosteiro de São Bento.

Presidente da Comissão de Revitalização do Centro da Legislatura anterior, o vereador Luís Santos citou as conclusões contidas no relatório final elaborado em 2016: definição de um local para ambulantes; redução do ISS; troca das lâmpadas comuns para de LED; fiscalização ativa; despoluição e revitalização da praça central; realização de shows e peças teatrais; instalação de academia ao ar livre na região central; regulamentação do parquímetro; implantação do roteiro turístico; aumento das calçadas; valorização da Rua da Penha; construção de uma Casa do Cidadão; coleta seletiva e implantação de câmeras de segurança.

Em seguida, o vereador Martinez ressaltou que Sorocaba, como outras metrópoles, passa por dificuldades na região central, que está à deriva, conforme frisou, com problemas como concentração de pessoas em situação de rua que levam à distribuição de alimentos nas ruas, uso de álcool e drogas, além da prostituição. “Temos que fazer com que o Centro seja o nosso gerador de renda”, afirmou.

Plano de Revitalização

O secretário de Planejamento apresentou alguns dos estudos que vêm sendo elaborados para revitalizar a região central de Sorocaba e o centro expandido. Entre outros pontos, Fioravante criticou a imposição de horário para fechamento do comércio às 22h no Centro e defendeu a volta de atividades noturnas. “Está na hora de buscarmos os exemplos que deram certo no mundo e trazer para Sorocaba”, disse, destacando que o Executivo vem desenvolvendo o plano, desde janeiro de 2017, em parceria com o Ministério das Cidades, e com uma equipe da Alemanha.

O foco dos estudos, segundo o secretário, é a defesa de um planejamento estratégico dividido em três eixos: qualidade de vida, urbanismo e social. A recuperação das áreas deverá ser realizada em fases e prevê o uso do solo integrado com a mobilidade urbana; recuperação das calçadas e promoção da acessibilidade; gestão de estacionamento e plano de vias integrais. Um dos desafios é aumentar o uso coletivo e não individual. Para tanto, obras viárias são previstas, além da implantação do trem metropolitano do VLT e BRT que buscam melhorar a mobilidade urbana, não apenas no Centro. Também está prevista a construção de um parque multimodal e de um grande parque expandindo a praça Frei Baraúna.

O secretário Fabio Pilão elogiou o planejamento. “Um projeto muito bem elaborado e pensado para que o centro volte a ter a pujança que já teve”, disse, ressaltando que a secretaria de Conservação, Serviços e Obras vem desenvolvendo em paralelo a esse plano as ações de manutenção e recuperação da região central, assim como o retorno dos contêineres aos bairros da cidade, possível graças ao planejamento administrativo-financeiro, segundo Pilão. Sobre a iluminação da região central, disse que a compra de lâmpadas de LED está em processo. Questionado por Kelen Pavani, mãe de aluno, o secretário afirmou que a Escola Municipal Matheus Maylasky será mantida. A área onde está instalado o colégio será revitalizada para a implantação da nova estação ferroviária.

Comentários

Leia também