Vereador acertou em demitir chefe de gabinete preso sob acusação de tráfico de drogas

O advogado José Cabral Dias, de 51 anos, permanecia detido no Centro de Detenção Provisória  de Capela do Alto até o final da tarde de hoje (19/10), portanto, frustrando seus advogados que queriam a transferência dele para o quartel da Polícia Militar de Sorocaba. Por outro lado, não havia sido decidido pelo Tribunal de Justiça de São Paulo o pedido de Habeas Corpus pedido pelo Conselho Regional de Prerrogativas, da OAB Sorocaba, que é presidido por Antônio Delgado Lopes (na foto, ele está à esquerda de Cabral).

José Roberto Ercolin, o âncora do Jornal da Ipanema, durante a coluna o Deda Questão de hoje (FM 91,1Mhz) me questionou se a exoneração de Cabral da chefia de gabinete do vereador Hélio Godoy não é um pré-julgamento de Cabral. Eu entendo que não, afinal Cabral é comissionado (não concursado da Câmara) e este é um cargo de confiança. Se mantivesse o advogado no cargo, Godoy levantaria a suspeita de que não estava tão indignado e surpreso como se manifestou estar com este caso. E, mais, levantaria a suspeita de que ele sabia da ações de Cabral. Por isso, Godoy fez bem em demitir e na rapidez com que agiu. Caso se prove a inocência de Cabral, ele poderá ser recontratado sem impedimento algum.

Comentários

Leia também