BO, reuniões, entrevistas… O que há de novo no racha do prefeito e da vice

ConviteDesagravoA vice-prefeita Jaqueline Coutinho mexeu nos ânimos políticos da cidade ao se dirigir à delegacia de polícia perto da hora do almoço de hoje (13/07) para registrar um BO (Boletim de Ocorrência) contra o prefeito Crespo referente ao atrito entre eles ocorrido no dia 23 de junho. Isso mesmo, ela levou 20 dias para amadurecer a decisão e formalizar o que aconteceu naquele dia.

Decepção com o teor do BO

O BO da Jaqueline havia motivado uma ação nas redes sociais por parte do Coletivo feminista Rosa Lilás que cobrava dela uma atitude neste sentido. O BO, também, era um ingrediente que alguns vereadores exigiam para a posição que vão tomar na votação que deverá ser proposta pela Comissão Processante de afastar o prefeito do cargo. Mas todos desejavam um BO com o eixo central das investigações, ou seja, se o prefeito agrediu alguém (a vice ou secretário Zuliani) no fatídico dia 23 ou se determinou que não fosse investigada a denúncia de que sua assessora tinha diploma falso do ensino fundamental. Mas, para surpresa geral, o vice-prefeita registrou um BO onde afirma que foi injuriada pelo prefeito, ou seja, ele atacou a sua honra com palavras ofensivas. Bom, sendo briga, o mínimo que se imaginava era que isso tivesse ocorrido. Mas e a agressão e a prevaricação? A vice não disse nada sobre tais pontos que são os eixos da Comissão Processante e da CPI que se desenrola dentro da Câmara.

Então qual o motivo do BO?

Passei a tarde de hoje conversando com diferentes personagens envolvidos nessa questão. O que são contra o prefeito Crespo não escondiam a decepção pelo teor do BO e os a favor sentiram que ele deixa em aberto uma aproximação do prefeito e da vice. E, de ambos os lado, uma única compreensão: a vice fez o BO para se precaver de qualquer manifestação que parta da assessora Taty Polis, cujo a veracidade do diploma de ensino fundamental é contestada, na CPI que investiga o caso e cujo o depoimento está agendado para às 15h desta sexta-feira.

Tropeço em entrevista

Quem acompanhou a entrevista do prefeito Crespo no jornal Tem Notícias 1ª edição, hoje na hora do almoço, sobre os 6 meses do seu governo, entendeu que ele foi bem na maior parte do tempo, porém julgaram desnecessário a afirmação dele, a respeito desse racha com a vice, quando afirmou que a vice humilhou a assessora Taty. A compreensão é de que o prefeito colocou mais gasolina num fogo que estava se apagando.

Estratégia da assessora

Conversei com Taty Polis a respeito do teor do seu depoimento na CPI e ela disse que não poderia me adiantar nada por orientação do advogado. Apurei que Joel de Araújo, advogado da assessora, entende que ela deve ficar muda no seu depoimento aos vereadores. Porém, apurei também, que o prefeito deseja que ela fale tudo o que sabe a respeito do fatídico dia 23 de junho, o dia em que prefeito e vice brigaram. Isso significa remontar a episódios da campanha eleitoral, arrolando ao caso personagens também eleitos e que hoje estão no usufruto do seu mandato, fatos que ocorreram em abril até chegar ao 23 de junho que, na visão do prefeito, não passou da explosão de um panela de pressão que vinha sendo entupida de fatos há meses. Qual será a atitude da assessora diante dos vereadores? Talvez nem ela saiba quando se deitar hoje para dormir. Talvez Taty decida somente momentos antes do seu depoimento. O que entendi de minha conversa com ela é que está tranquila e segura do papel que vai desempenhar e que ele faz parte de uma estratégia onde ela busca somente um ponto: a verdade. Ela se sente ofendida por toda desconfiança em torno dela e tem o respaldo do marido para agir da maneira que vai agir.

Comissão marca e desmarca data

Exatamente às 16h46 a assessoria da Câmara de Vereadores divulgou convite aos jornalistas dando conta que a Comissão Processante que investiga o prefeito José Crespo por suposta infração política-administrativa realizaria uma coletiva de imprensa na Sala de Reuniões da Câmara Municipal de Sorocaba nesta sexta-feira, às 12h, para apresentar seu parecer sobre a defesa prévia apresentada pelo chefe do Executivo. Exatamente às 18h03 divulgou informação transferindo essa coletiva para a próxima segunda-feira.

O que será anunciado na segunda-feira, não sei. Mas o que seria anunciado amanhã é que a Comissão Processante dará continuidade às investigações por mais 90 dias de modo a reunir provas que possam permitir que eles peçam o afastamento do prefeito Crespo do cargo. E a partir desse prazo de investigação, a qualquer momento, poderá pedir que a Mesa da Câmara coloque em votação esse pedido de afastamento, inclusive em sessão extraordinária no recesso parlamentar que começou hoje e segue até 1º de agosto. Mas, repito, se essa decisão ficará mantida até segunda-feira não é possível dizer.

Base do prefeito reunida

Os vereadores que estão com o prefeito nesta batalha, ou seja, que são absolutamente contrários ao seu afastamento, se reuniram ao longo de toda a tarde de hoje. A reunião terminou por volta das 17h15, ou seja, meia hora depois da convocação da imprensa para a coletiva sobre a decisão da Comissão Processante e 48 minutos antes do adiamento da coletiva. Não há nada mais a ser dito (pelo menos que seja do meu conhecimento) a respeito do adiamento da coletiva da Comissão Processante, somente esses dados dos horários de cada reunião e das partes envolvidas.

O afastamento do prefeito vai ocorrer se 14 dos 20 vereadores votarem a favor disso. Há quem diga que o prefeito tinha 8 votos ao seu favor, há quem diga que já são 9 e quem diga que são 10. Quem sabe, de fato, quantos são os votos é o prefeito e seus próximos e nenhum deles fala a respeito o que é absolutamente compreensível quando o que está em jogo é com quem, e sob quais condições, ficará a caneta mais forte da cidade.

Campos faz desagravo à vice

Um último elemento nesta história: no próximo dia 18, terça-feira, o deputado estadual Campos Machado, o manda-chuva do PTB, partido da vice-prefeita Jaqueline Coutinho, estará em Sorocaba para uma reunião de partido. Mas apurei que tal reunião se transformará em um ato de desagravo a Jaqueline.

Campos Machado é amigo da intimidade de Renato Amary, o padrinho político da eleição de Crespo, e que até o momento nunca foi consultado a respeito do racha entre a vice e o prefeito segundo palavras dele próprio e do prefeito.

Apurei, ainda, que o prefeito não foi convidado a comparecer no evento do PTB. O que apenas reforça o racha e, mais, que está longe qualquer reaproximação do prefeito e da vice-prefeita.