Cresce clima de demonização do presidente do Cotim dentro e fora da prefeitura de Sorocaba, como se ele, e não o prefeito, fosse o responsável por cortes

No dia 3 de maio passado publiquei que a “Austeridade de presidente do Cotim faz esquentar clima entre secretários da Prefeitura de Sorocaba”. Ali relatei que devido ao Cotim (Comitê de Gestão de Gastos e Cuistos da Prefeitura de Sorocaba) o clima entre os secretários de Planejamento e Gestão (Edsom Ortega) e da Fazenda (Aurílio Caiado), que já não era dos melhores, azedou de vez. O secretário da Saúde, Francisco Antônio Fernandes, o Chicão, conhecido por sua paciência e educação também deixava clara sua insatisfação.

Com os cortes que estão acontecendo, o clima azedou também fora da prefeitura.

A lista é grande: não realizar o tradicional desfile cívico em comemoração ao aniversário da cidade de Sorocaba, celebrado em 15 de agosto, porque quis economizar R$ 42 mil. Negociar com a Fundec (Fundação de Desenvolvimento Cultural de Sorocaba) um corte de 15% do dinheiro que estava previsto, mesmo com impacto sobre a Orquestra Sinfônica de Sorocaba, ainda era compreensível. Não pagar pelos lanches dos 5.772 mesários convocados para trabalhar nas eleições municipais de outubro em Sorocaba, que teriam custo de R$ 60 mil, cujo  a responsabilidade, por lei, é do TSE (Tribunal Superior Eleitoral); tirar duas horas de funcionamento das UBS (Unidades Básicas de Saúde) que há mais de 15 anos funciona das 7h às 19h e passou a funcionar das 7h às 17h; cortar toda a verba da Linc (Lei de Incentivo à Cultura) orçada em R$ 900 mil, sendo 10% para pagar os selecionadores e R$ 810 mil para financiar projetos dos artistas. Cortar o repasse para dezenas de entidades que mantém vivo o esporte sorocabano para economizar R$ 455 mil e como consequência inviabilizar a presença de Sorocaba nos Jogos Abertos do Interior;  tirar R$ 2 milhões da educação básica; tirar 25% do combustível da viaturas da Guarda Civil Municipal. Isso é o que, aos poucos, vai se tornando público.

Iara Bernardi (PT), ex-deputada federal, e o Marinho Marte (PPS) se manifestaram hoje de maneira muito parecida., Iara ao mandar mensagem a coluna O Deda Questão do Jornal da Ipanema (FM 91,1Mhz). Marinho na tribuna do Legislativo. Eles afirmam que secretários que não são de Sorocaba vêm para cá, fazem o serviço ruim, e vão embora sem nunca mais dar a menor satisfação aos cidadãos. Iara falou dos problemas provocados por José Simões quando secretário da Educação, de Armando Raggio, quando secretário da Saúde, (ambos demitidos pelo prefeito) e agora Edsom Ortega que foi secretário de administrações de José Serra e Gilberto Kassab na Prefeitura de São Paulo.

O fato é que o Ortega, como comandante do Cotim, faz o que o prefeito deseja. E se há um responsável por isso tudo ele chama-se prefeito Pannunzio. Ortega, neste sentido, leva a fama injustamente. Obviamente que ele não faria nada que quem manda, de verdade, não quisesse. E Pannunzio quer fechar sua administração no azul. Custe o que custar, inclusive a impopularidade própria e o prejuízo que isso tem a chance de provocar na candidatura do seu partido á sua sucessão na prefeitura.

Comentários

Leia também