Decisão da Justiça para afastar Marinho Marte do cargo de secretário Jurídico era aguardada pelo prefeito há tempos. Isso explica a rapidez com que foi escolhido o novo secretário, o destino de Marinho e a mensagem política da decisão

EricVieira

A decisão do juiz Alexandre Dartanhan de Mello Guerra, da vara da Fazenda Pública de Sorocaba, que determinou em caráter provisório o afastamento de Marinho Marte do cargo de secretário de Assuntos Jurídicos e Patrimoniais da Prefeitura de Sorocaba, não pegou o prefeito Crespo de surpresa.

Todo o desenrolar da história, desde que o fato ficou conhecido na manhã de hoje, a partir da publicação da sua decisão na manhã desta sexta-feira (24) no site do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP), demonstra que Crespo já tinha tudo planejado para este momento.

Vejam os fatos:

1) A nomeação de Marinho Marte para a pasta de Recursos Humanos indica que esta pasta estava sendo guardada para Marinho desde que o seu titular, Rodrigo Moreno, foi efetivado na pasta da Saúde e vinha acumulando o RH. Todos sabem que é muito grande o volume de trabalho nas duas pastas para um único secretário. Ou seja, Crespo sabia que a decisão judicial para tirar Marinho viria mais cedo ou mais tarde.

2) A tranquilidade com que Rafael Militão, o suplente de vereador montou sua equipe de assessores na Câmara era claro indicativo de que Marinho Marte não voltaria para lá. Nesta semana, inclusive, Marinho recebeu Militão para uma conversa e deixou o jovem vereador, com base eleitoral no Parque São Bento, tranquilo de que não voltaria para o Legislativo e que se a justiça determinasse, como determinou, ele iria para o RH e isso já estava certado com o prefeito.

3) A rapidez com que Crespo definiu Marinho Marte no RH (A decisão judicial, embora tomada na noite de ontem só foi publicada no site do TJ na manhã de hoje), publicando sua saída do cargo de secretário Jurídico no Átrio do Paço por volta das 10h, é indicativo de que já havia pensado e decidido o que fazer quando chegasse a hora.

4) A reunião que durou menos de 5 minutos contando o tempo em que Eric Vieira (foto), advogado que assessorava o secretário de Licitações da Prefeitura, Alexandre Rubin, entrou e saiu da sala do prefeito com o aceite de sua nomeação também é indicativo de que Eric já estava de sobreaviso de que havendo decisão da justiça para a saída de Marinho, ele seria o escolhido para o cargo.

Comentários

Leia também