Deputado de Tatuí não está na China

O deputado federal eleito por Tatuí, na Região Metropolitana de Sorocaba, Guiga Peixoto, não faz parte do grupo de deputados federais eleitos pelo PSL, que assumirão o cargo em fevereiro, que participa da comitiva que visita a China, com as custas pegas pelo Partido Comunista Chinês.

A comitiva vem sendo intensamente criticada por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro. Olavo de Carvalho, escritor tido como o guru intelectual do governo, sendo responsável pela indicação dos nomes dos ministros de Relações Exteriores e Educação, acusou os políticos de serem “analfabetos funcionais” e “caipiras” por “entregarem o Brasil à China”.

Há enxurrada de críticas nas redes sociais e as discussões dentro da bancada. E os parlamentares eleitos reclamam da falta de apoio do governo, expondo fraturas na base aliada. “De repente, viramos inimigos da nação. Estou acostumada a este tipo de ataque, mas a maioria aqui não está”, diz Carla Zambelli (de Ribeirão Preto) no restaurante do hotel onde estavam hospedados, acompanhados por representantes do Partido Comunista.

O presidente Bolsonaro, que teria ficado surpreso com a viagem, não pretende se pronunciar sobre o caso.

Guiga Peixoto

Como mostra a foto do deputado em visita ao prefeito de Sorocaba, Crespo, na semana passada (quando a comitiva já estava na China), ele não viajou. Nem foi convidado, aliás, para se integrar ao grupo.

Guiga Peixoto (José Guilherme Negrão Peixoto) é administrador e empresário de óticas além de dono de diversos terrenos em Tatuí, onde reside. Em 2016, foi candidato à prefeitura da cidade pelo PSC. Uma de suas principais bandeiras é o fortalecimento econômico da região. Doou R$ 111 mil à sua própria campanha. Seu auto financiamento representou 90% de todo o orçamento declarado, de R$ 123 mil. Foi o candidato do PSL eleito com menos votos, um total de 31.718.

Comentários

Leia também