Especialista em direito eleitoral afirma que situação do candidato do PMDB é a mesma da eleição passada, ou seja, está em condições de obter o registro da candidatura

O advogado Lázaro Paulo Escanhoela Júnior participou na manhã de hoje (11/07) da coluna O Deda Questão no Jornal da Ipanema (FM 91,1Mhz) para falar em nome do seu cliente, Hospital Vera Cruz, no contexto da polêmica sobre o fechamento dos hospitais psquiátricos e a convivência de doentes mentais no ambiente social e familiar. O tema voltou ao cotidiano de Sorocaba na semana passada quando um paciente com esquizofrenia matou com uma facada um atendente que visitava sua casa e tentava fazer com que ele tomasse medicação.

Na segunda parte da entrevista, como não poderia deixar de acontecer, por ser ex- juiz eleitoral e estar no comando de conceituado escritório de advocacia com especialidade em direito eleitoral, o tema foram as eleições municipais deste ano. Ex- advogado de Renato Amary na eleição de 2012, quando o candidato teve o registro autorizado em Sorocaba, em 1º instância, teve o registro negado em 2º instância no Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo e teve o registro concedido em Brasília no Superior Tribunal Eleitoral, Escanhoela informou que neste ano não tem Renato Amary como cliente, mas acompanha a situação dele e ela é a mesma de 2012, ou seja, o candidato do PMDB está em condições de obter o registro da sua candidatura. Sobre a crescente pergunta feita em redes sociais e que já atinge parte da sociedade (Mas Renato vai conseguir ser candidato?) Escanhoela afirmou que ele vê com certeza de que o pedido para impugnar a candidatura de Renato será feita, seja pelo Ministério Público, por algum candidato ou por alguma coligação adversária. Mas deixou claro que o pedido de impugnação é diferente de ser inelegível.

Comentários

Leia também