Nomeação na AgemSor é uma novela que se arrasta há seis meses e sem previsão de acabar

O prefeito Pannunzio, o deputado federal Vitor Lippi e a deputada estadual Maria Lúcia Amary (todos do PSDB) fecharam questão em outubro do ano passado sobre quem deveria compor a diretoria da AgemSor (Agência da Região Metropolitana de Sorocaba) e se imaginava que isso era suficiente para que o governador Alckmin assinasse o decreto dando o pontapé inicial as atividades da entidade que vai gerir, com orçamento próprio, as necessidades, interesses e articulações na Região Metropolitana de Sorocaba. Não foi. O governador sentou em cima da decisão e não trata do assunto desde outubro. Alega que a crise econômica impede que a AgemSor comece a funcionar. A verdade é que deputados de partidos aliados, como Carlos César (que é do PSB, mesmo partido do vice-governador Márcio França) querem dar sugestões para a definição do nome para ocupar a vaga de diretor executivo da Agência.

Na foto, Pannunzio observa o governador assinar a criação da Região Metropolitana de Sorocaba no dia 15 de junho de 2015.

Comentários

Leia também