Para Iara não houve quebra do decoro, mas defesa dos Direitos Humanos

Me dirigi a vereadora Iara Bernardi, via sua assessoria de imprensa, para colher dela o seu posicionamento sobre o bate-boca com a vereador Luís Santos na sessão de hoje.

E ela foi econômica nas palavras: “A vereadora Iara Bernardi agiu na legítima defesa dos Direitos Humanos, como vem fazendo nas suas décadas de reconhecida atuação nesse segmento social. Não houve quebra de decoro em momento algum.”

Luta dos Orgulho LGBTI+

Vale lembrar que em sua página de Facebook, Iara Bernardi se posicionou sobre os Direitos Humanos: “Bom dia, pessoal. Estou na Câmara dos Deputados, recebendo uma importante homenagem, com outras personalidades, pela minha luta pelos direitos humanos.

Dentre os homenageados estão o Presidente Lula, o ex-ministro do supremo tribunal Federal, Ayres Brito, Marta Suplicy, Iriny Lopes e Jean Wyllys. Recebendo homenagem post mortem estão Marielle Franco e o psicólogo e escrito João Nery.

Trata-se da Sessão Solene em Comemoração ao Dia do Orgulho LGBTI+, realizada pela Frente Parlamentar Mista pelo Respeito à Cidadania LGBTI+ e a Aliança Nacional LGBTI, que formaram uma parceria para a realização deste evento.

HISTÓRIA – Há 50 anos, em 28 de junho de 1969, no Bar Stonewall, em Nova York, uma multidão se rebelou contra a polícia, que tentava prender homossexuais.

Por três dias e por três noites pessoas LGBTI+ e aliadas resistiram ao cerco policial e a data ficou conhecida como a Revolta de Stonewall.

No ano seguinte, foi realizada a primeira Marcha do Orgulho, para relembrar o que aconteceu e destacar a luta contra a discriminação, pelo respeito e pela igualdade de direitos. Nasceu o moderno movimento pelos direitos das pessoas LGBTI+.”

Metralhadora de asneiras

Na semana passada, antes do feriado, no Sindicato dos Metalúrgicos de Sorocaba, aconteceu um reunião envolvendo integrantes de algumas entidades do movimento social de Sorocaba para juntos pensarem em estratégias e somar forças para uma ação conjunta de combate aos frequentes discursos  transfóbicos, misóginos, preconceituosos e violentos, ecoados em  tribuna da Câmara Municipal pelo vereador Luís Santos, visto que o STF (Supremo Tribunal Federal), dias atrás, criminalizou a homofobia. Para esses movimentos de direitos humanos, quando o pastor Luís Santos discursa, ele parece uma metralhadora de asneiras.

Comentários

Leia também