Para participar do governo de coalização de Jaqueline Coutinho, PT exigiu que o comando da Urbes não fosse do secretário que comandou a pasta durante o governo Crespo e não deu aumento de salário aos motoristas de ônibus

KukaEsinsicatoFrança, vereador, presidente do PT e vice-presidente do Sindicato dos Motoristas de Ônibus, exigiu que Kuka ficasse fora da Urbes no governo de coalização. França (à esquerda) e Kuka estão circundados nesta imagem

Desde que Kiko Pagliato voltou à bancada do Jornal Ipanema (FM 91.1Mhz), durante a coluna O Deda Questão tenho conversado com ele sobre temas vividos por ele no período em que esteve como secretário de Relações Institucionais e Assuntos Metropolitanos da Prefeitura de Sorocaba nos 42 dias do governo da prefeita Jaqueline Coutinho. São variadas revelações feitas por Kiko, algumas já contei em postagens anteriores, mas uma nova ele contou hoje durante entrevista ao vivo com Gláuber Piva, do PT, e que foi secretário da Cultura.

Nem Gláuber sabia do que o Kiko contou, ou seja, que foi exigência do líder da bancada da prefeita na Câmara, José Francisco Martinez, do PSDB, que o PT fizesse parte do governo de coalização. Outra novidade contada por Kiko: convidado para fazer parte do governo, o presidente do diretório municipal do PT, vereador França, aceitou as duas secretarias, mas fez uma exigência, a de que o presidente da Urbes, secretário de Mobilidade durante o governo Crespo, Wilson Unterkircher Filho, o Kuka, não ocupasse mais o cargo. Não se opunha que ele fosse em qualquer parte do governo (tanto que Kuka foi para Obras), mas tinha que sair da Urbes. O motivo foi a relação desgastada do sindicato dos Motoristas (do qual França é vice-presidente) com Kuka que se negava a dar aumento de salário aos motoristas e levou à greve histórica de 25 dias dos motoristas de ônibus.

Jaqueline achou justa a argumentação de França e aceitou atender a sua exigência. Apenas por isso que o PT oficializou sua presença no governo duas horas antes do anúncio oficial da sua equipe de secretários.

Comentários

Leia também