A vocação do ser humano é ser alegre

Depois de ressurgir das cinzas, quando se imaginava que seria extinto, o São Bento voltou a empolgar parte dos sorocabanos alguns anos atrás até que, novamente, entrou num declínio abrupto sendo rebaixado da série B, onde nunca havia estado. Hoje, contra a Inter de Limeira, às 20h, no CIC, em Sorocaba, se o São Bento perder e o Santo André, num outro jogo, ganhar, o time de Sorocaba estará rebaixado também do Paulistão.

E daí?

O mundo sendo engolido pela pandemia de Coronavírus. Há um verdadeiro genocídio de brasileiros devido a decisões erradas do governo federal para combater o Covid 19. Há mais uma crise econômica. É crescente o número de miseráveis. Quase 15% da população não tem emprego. Quem está empregado vive ansioso com medo de que ele seja o próximo. Há um clima de desesperança. Há quem acredite que não tem mais jeito…

Então, e daí se o São Bento for rebaixado novamente? Ou se não for? O futebol é secundário. As atividades artísticas não são essenciais. Vamos primeiro “arrumar a casa” e depois pensamos nessas “coisas” sem importância.

É um erro este tipo de pensamento. Saúde, economia, trabalho são fundamentais, mas não se alcança nenhum deles sem o bem-estar pessoal de cada cidadão. Não há economia que gire só com indústria produzindo ou comércio vendendo, pois é o entretenimento que motiva as pessoas a consumirem. Não há colesterol, glicemia, pressão arterial boas sem que o humano que habita este corpo esteja alegre, feliz, fatores que vêm da produção artística, da criatividade, da emoção.

A vocação do ser humano é ser alegre. É obter bem-estar. É construir a sua felicidade. É incessantemente buscar este sentido para a sua vida.

Portanto, que o São Bento vença hoje. Estou certo que isso fará muitos sorocabanos um pouco mais alegres.

E aqui expresso minha solidariedade com Luiz Daniel (foto), o goleiro do São Bento, que tomou o maior frango de sua vida, certamente, no jogo passado ao furar uma bola fraca que foi em sua direção. Quando criança, jogando no gol, eu era sempre escolhido para os times da rua porque dava conta do recado. Até que tomei um frango. Um frango que me acompanha até hoje. Uma falha que me marcou. Ainda hoje, 40 anos depois, eu ainda me pergunto porque me desconcentrei tanto e tomei aquele frango. Imagino os pesadelos que Luiz Daniel esteja vivendo. Quero lembrar que Marcos, o São Marcos do Palmeiras, Rogério Ceni, o mito do São Paulo, o Cássio, o salvador do Corinthians e uma dezena de outros goleiros tomaram frangos. Luiz Daniel, você vai conseguir se levantar, mas ainda assim, terá um dia, que vai sonhar com o gol que levou contra o Botafogo. Se perdoe. Se supere.

Bentô, Bentô ôôô…

Comentários

Leia também