Após mal-estar, que foi ampliado por publicação do fato neste blog, Prefeitura adia início de curso com a OAB para GCMs sobre a Lei Maria da Penha

OABPref

Publiquei semanas atrás uma nota informando que o Secretário da Segurança da Prefeitura fez parceria com a OAB Sorocaba para um curso que a entidade vai dar aos Guardas Civis Municipais a respeito da Leia Maria da Penha (https://odedaquestao.com.br/secretario-da-seguranca-faz-parceria-com-a-oab-sorocaba-nada-demais-se-a-entidade-nao-estivesse-processando-o-prefeito-pela-nomeacao-do-secretario-juridico-e-a-esposa-de-seu-adversario-na-eleicao-nao/) e que isso cirou um mal-estar dentro do próprio secretariado e até do prefeito Crespo com o secretário da Secretaria de Segurança e Defesa Civil, José Augusto de Barros Pupin. Motivos do mal-estar: O presidente da OAB Sorocaba, Márcio Rogério Dias, ter espaço no governo municipal que ele processa judicialmente (caso Marinho Marte, leia na outra postagem) e a advogada Elisa Rosa, uma das escolhidas para ministrar o curso, ser esposa do deputado estadual Raul Marcelo (PSOL), adversário do Crespo no 2º turno da eleição.

O fato é que o convênio celebrado no dia 20/01 entre Prefeitura e a OAB Sorocaba para o curso a ser ministrado a todos os Guardas Civis Municipais da cidade, a respeito da Lei Maria da Penha, sancionada em 7 de agosto de 2006, que protege mulheres vítimas de violência doméstica, está suspenso. As aulas que deveriam ser ministradas em fevereiro já não tem mais data para começar.

Alessandra Borghi, presidente Comissão Prevenção e Combate ao Uso de Drogas na OAB Sorocaba e presidente na empresa Conseg Centro Sorocaba, uma das mais entusiasmadas com a parceria está receosa de que ele não venha a ser celebrado mais. Há um temor de que o secretário da Secretaria de Segurança e Defesa Civil, José Augusto de Barros Pupin, peça para que a advogada Elisa Rosa, uma das escolhidas para ministrar o curso, não seja mais a professora pelo simples fato dela ser esposa do deputado estadual Raul Marcelo (PSOL), adversário do Crespo no 2º turno da eleição. Se esse pedido ocorrer, mesmo que informalmente, haverá uma resposta à altura não apenas ao secretário como ao prefeito.

Comentários

Leia também