Com dez meses de atraso, projeto para a implantação de parquímetro (Zona Azul eletrônica) nas ruas centrais de Sorocaba começa a sair do papel

A Urbes (empresa municipal que gerencia o Trânsito e Transportes em Sorocaba) realizou na sexta-feira passada (18/12) uma audiência pública sobre o novo sistema de estacionamento rotativo de Sorocaba. O projeto foi apresentado aos vereadores no dia 27 de fevereiro passado, aprovado por lei na Câmara Municipal em agosto e em janeiro de 2016 entra em licitação.

A exploração do sistema pelo vencedor será pelo prazo de dez anos, prorrogável uma só vez, por igual período. Consórcios, assim como no transporte coletivo, também poderão participar da licitação. Ganha a empresa que oferecer o maior repasse para a Prefeitura. A empresa ganhadora vai investir cerca de R$ 2,5 milhões para a implantação do estacionamento.

O objetivo da audiência foi tornar público a intenção da prefeitura em contratar a empresa para colocar parquímetros na cidade, colher subsídios, informações e sugestões ao processo de concessão, mediante licitação, para implantação, operação, manutenção e exploração da Zona Azul Eletrônica nas vias públicas da cidade, com a devida modernização através de controles automáticos e informatizados.

A tecnologia a ser selecionada deve possibilitar pagamento por cartões (débito e crédito), dinheiro e aplicativo do celular. Pelo projeto, o estacionamento rotativo no centro saltará de 750 para 3.600 vagas, atingindo todas as vias centrais, pelo período máximo de 2 horas, sendo que o valor será de R$ 3 por hora. Não há cobrança nos primeiros dez minutos e quem ficar até 30 minutos pagará R$ 1,50. A fiscalização será feita por agentes da empresa vencedora que chamará um agente da Urbes para aplicar a multa, já que por lei uma empresa não pode aplicar multa ao infrator do trânsito.

Entre as vantagens, a partir do novo modelo, também vale ressaltar a melhor organização do fluxo e disciplinamento do uso do espaço público, da estética do centro urbano, a rotatividade nas vagas, a melhora da acessibilidade das pessoas à área central dinamizando o comércio, a expectativa de redução do número de pequenos acidentes nas vias públicas e a maior facilidade no gerenciamento e controle de receitas.

O aumento da frota de veículos de transporte individual, não só em Sorocaba, implica em problemas de circulação, dentre os quais o de estacionamento nas vias públicas. “Como se sabe, a expansão urbana verificada em nosso País nos últimos anos, notadamente nas grandes e médias cidades, trouxe como consequência a necessidade de se aplicar uma política municipal de mobilidade urbana que priorize os meios de deslocamentos a pé, os não motorizados e coletivos, isso sem desprezar a questão ambiental e social, com a sua devida sustentabilidade”, apontou o prefeito Pannunzio na justificativa do projeto.

Comentários

Leia também