Ex-secretário do então prefeito Vitor Lippi sai do anonimato para defender a gestão que fez parte das críticas do candidato Crespo desferidas durante o debate da rádio Ipanema

Biazotto

Maurício Biazotto, hoje consultor na empresa Clever Devices, foi importante personagem da história de Sorocaba ao longo do segundo mandato do então prefeito Vitor Lippi entre os anos de 2008 e 2012. Saiu de um cargo do segundo escalão no início do mandato, quando nem amigo de Lippi era, e ocupou os espaços dentro do governo ao organizar os atos e colocar em prática as ideias de Lippi. Ele ganhou notoriedade e poder na administração e virou alvo daqueles que não gostavam do que estavam vendo e vivenciando. Como resultado acabou vítima de um processo sobre a compra de um veículo Corolla diretamente da fábrica Toyota que naquele momento negociava sua vinda para a cidade e, mais pesadamente, da Operação Pandora que investigou um esquema de corrupção envolvendo a Prefeitura e a instalação de um posto de combustível pela Hipermercado Extra. O caso foi arquivado pela justiça e Biazotto inocentado. Mas a sua prisão preventiva deixou uma marca em sua vida pública. Marca que o próprio Lippi, que se tornou amigo íntimo de Biazotto, teve a intenção de passar uma borracha nomeando para sua assessoria de deputado.

O fato é que ouvindo o debate entre os candidatos a prefeito Biazotto se deparou com severas críticas do candidato Crespo, da coligação Renasce Sorocaba, ao prefeito Pannunzio. Crespo disse que Pannunzio foi pior em tudo: “Achava que Lippi era o pior prefeito da história de Sorocaba, mas até isso Pannunzio conseguiu superar e foi ainda pior”, disse Crespo. Essa afirmação foi relevada no debate pelo candidato João Leandro, da coligação Juntos por Sorocaba. Senão relevada, não defendida com a veemência com que Biazotto defende na manifestação que fez na minha postagem sobre o debate. Vale a pena ler. A íntegra é esta:

“Tive a oportunidade de ouvir alguns momentos do debate promovido pela rádio Ipanema, não me surpreendeu em nada verificar a falta de proposições concretas. Sorocaba e uma cidade que ao longo dos últimos anos se notabilizou por sua dinâmica em busca de transformar a cidade em um centro de excelência, na qual o mote do nascido deu lugar ao pluralismo, na amplitude da palavra, tornando-se um local de atratividade e oportunidades. Quando cheguei a Sorocaba a quase 20 anos atrás, era comum ouvir a pergunta “de que família você é”, superada estas e outras expressões bairristas, o que se viu foi a transformação da cidade, melhorou-se significativamente a infraestrutura viária, aumentou-se a oferta na saúde, construiu-se escolas modernas, proporcionou-se a inclusão digital, através de centros de inclusão, mudou-se o conceito de assistência social para atenção social, ampliou-se os parques da cidade, possibilitando o plantio de milhares de árvores, a cidade buscou estimular a alternativa de mobilidade através das bicicletas e para isso construiu + de 100 km de ciclovias, implementou-se conceitos reconhecidos de “Cidade Edicadora e Cidade Saudável, promoveu-se a inclusão cidadã, através das Plenárias de Participação Cidada” e do programa “Prefeito no Bairro”, na qual mais de 70% das sugestões recebidas foram implementadas, fazendo com que a participação cidadã se torna-se uma realidade, todas estas políticas fizeram de Sorocaba uma Cidade Conceito, reconhecida e admirada por outras cidades no Brasil e no mundo. Portanto, me surpreende quando vejo , o asqueroso e pouco qualificado moralmente, Crespo, que para satisfazer seu novo padrinho politico(até pouco tempo atrás, inimigos mortais) dizer que o prefeito Lippi foi o pior prefeito de todos os tempos.

Quero lembrar que o prefeito Lippi saiu do governo com a maior aprovação (ótimo e bom) entre as cidades com mais de 500 mil habitantes e foi eleito deputado federal com a maior votação da história de Sorocaba.

O senhor Crespo que enquanto candidato se investe de bom moço deveria explicar melhor a negociação feita (troca por cargos e “outras coisas mais” pouco republicanas, que o levaram a deixar sua candidatura em 2008 e 2012), o tiro forjado nas eleições de 2004 entre inúmeras outras coisas, como exemplo sua passagem pela mesa diretora da Assembleia. Outro ponto importante a se destacar é a postura errática do Crespo em relação ao prefeito Pannunzio, que durante sua trajetória como parlamentar, sempre esteve entre os dez parlamentares mais influentes da República, de caráter irrepreensível, de estatura ética invejável, que por atender ao chamado sorocabano assumiu seu segundo mandato em meio a uma das piores crises econômicas e política da história do nosso país, na qual as cidades perderam receitas de forma dramática perdendo a capacidade de investimento, mas mesmo assim se manteve padrões adequados de crescimento e qualidade de vida, bem como conseguiu-se manter o equilíbrio das contas públicas garantindo que na retomada crescimento do país a cidade esteja preparada a prosperidade, diferente de muitas outras. Portanto, nossa cidade deveria ter orgulho da postura austera adotada como estratégia pelo prefeito Pannunzio.

Infelizmente a memória é curta, mas nossa sociedade está evoluindo rapidamente e certamente muito em breve ficaremos livres dos Crespos e outros mais que habitam o ambiente político. Sorocaba agradece.

 

Parabéns (a este blogueiro) pela sensibilidade ao capturar os principais pontos relativos às quatro horas de debate”.

Comentários

Leia também