Para diretor do Saae, CPI denigre a imagem da instituição e por trás disso está a intenção de privatizar a água e esgoto de Sorocaba

O diretor-geral do Saae, Rodrigo Maldonado, entrou ao vivo na coluna O Deda Questão no Jornal da Ipanema (FM 91,1Mhz) e rebateu a conclusão da CPI do Saae (que teve duas frentes, a questão do abastecimento da cidade e a de gerenciamento) que aponta negligência por parte da autarquia com o dinheiro público e incapacidade gerencial de quem esteve à frente do Saae nos últimos cinco anos. Os relatórios dos vereadores foram encaminhados ao Ministério Público e ao prefeito Pannunzio.

O vereador Carlos Leite (PT), presidente da CPI, afirma que ficou evidenciada a falta de investimentos da autarquia no sistema público de abastecimento da cidade, bem como a incapacidade de modernização dos sistemas de adução e tratamento de água bruta, o que teria sido preponderante para a crise hídrica vivenciada por Sorocaba no início de 2014. Ficou claro que o Saae não investiu o necessário para garantir o abastecimento da cidade no ritmo do crescimento de Sorocaba. Houve claramente um descompasso, somente sanado após a deflagração da crise, com obras emergenciais no sistema público de tratamento de água.

Maldonado reconheceu a importância do trabalho do Saae, afirmou que o Saae (numa referência as gestões anteriores a dele) aprendeu com a necessidade de toda obra ter seu projeto executivo na licitação de cada obra, mas foi enfático em afirmar que a CPI tem interesse político e partidário. Para ele, a CPI quis denegrir o Saae, que completa 50 anos, e por trás dessa intenção há uma outra, a de vender à população a idéia de que o Saae é ruim e é preciso privatizá-lo como fez a gestão do PT com o Saae de Votorantim quando administrou a cidade e hoje a prefeitura enfrenta os problemas provocados por esta venda da autarquia. E o diretor-geral do Saae não se furtou em dizer que é o PT quem está por trás dessa intenção de privatizar o Saae.

Comentários

Leia também