Um verdadeiro herói anônimo, que morreu “em serviço” após salvar 4 crianças da morte, não tem página no Facebook e só agora seu nome aparece no Google

Alison

Alison Sebastião dos Anjos não tem página no Facebook e também não tinha o seu nome no Google até salvar três crianças que brincavam num córrego que separa o Jardim Novo Horizonte do Jardim Maria Eugênia, na zona norte de Sorocaba, e na manhã de hoje ter o seu corpo e o de uma quarta criança encontrados no Parque São Bento. Nada se sabe nada sobre Alison, a não ser que ele tinha 49 anos. Nem em que ele trabalhava, onde nasceu, o que fazia da vida. Nem mesmo o seu desaparecimento, ocorrido na tempestade da tarde do último sábado, foi questionado por familiares junto à polícia. O que se sabe é que ele não pensou duas vezes quando viu as crianças surpreendidas pela correnteza que percorria a tubulação que desemboca no córrego e pulou na água para salvá-la.

O chamado instinto humano, aquilo que há de mais primitivo na espécie, se manifesta quando se está numa situação limite, como quando se corre o risco de morrer. Esse era o caso das crianças, mas não era de Alison. Ele poderia ter feito o que mais de vê em nossa sociedade, dizer que o problema não era seu. Nenhuma das crianças eram seus filhos ou parentes (disso já se sabe). Mesmo assim ele quis ajudar. Talvez essa tenha sido a sua essência. Tem gente que é assim, ajuda por ajudar.

Certamente, ao final da tempestade de sábado, se as quatro crianças tivessem sido salva por ele, essa seria uma das muitas histórias que as pessoas contam com entusiasmo para as outras. Ou fazem questão de esquecer. Tenho uma pessoa muito próxima a mim que quando tinha apenas 10 anos, aqui mesmo em Sorocaba, foi puxada pela enxurrada na região onde hoje fica a praça da Bandeira, no centro, e sobreviveu pelo acaso, ou por seu instinto de vida. Mas ela nunca fala sobre isso. Quase cinquenta anos depois essa experiência é algo extremamente íntima que o pouco que se sabe é contado pelos outros que vivenciaram aquele trágico momento.

Alison Sebastião dos Anjos, sem demagogia alguma, merece emprestar o seu nome a alguma rua de Sorocaba. Um verdadeiro herói anônimo que salvou 3 crianças da morte e morreu “em serviço” quando tentava salvar uma quarta. Que seu legado seja sempre lembrado e inspire mais pessoas a pensarem no Outro, a se colocar no lugar do Próximo na situação mais banal da vida que seja.

Em meio a tantos fatos que nos enchem de desesperança, o que acontece no Espírito Santo é só o do momento, poder falar de pessoas, atos e atitudes como a de Alison é cada vez mais raro. Que esse verdadeiro herói anônimo, com o legado do seu exemplo, inspire o ser humano ao bem.

Comentários

Leia também