Vereador da oposição afirma que denúncia de empresa contra secretários é vazia. Mas quando a esmola é demais, até o santo desconfia

Os  vereadores Marinho Marte (PPS) e Izídio de Brito (PT) decidiram buscar informações diretamente na Corregedoria Geral do Município sobre as denúncias envolvendo secretários da prefeitura de Sorocaba e a empresa Prius Planejamento, Gestão e Tecnologia da Informação Ltda. Os parlamentares se reuniram com a corregedora Adriana de Oliveira Rosa que entregou aos vereadores cópia do e-mail encaminhado pelo diretor-presidente da Prius, Ricardo Fantoni Álvares, onde constam a representação com pedido de abertura de inquérito administrativo, cópia do contrato e notas fiscais vencidas.

 

Segundo os vereadores apuraram, o denunciante não apresentou, até agora, nenhuma prova sobre a possível cobrança de propina que seria usada para financiamento de campanha. Sobre os atrasos nos pagamentos, Adriana Rosa ressaltou que os problemas contratuais não são de agora e que a empresa está cobrando por serviços não executados. “Precisamos agir com cautela e transparência. Antes de abrirmos uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) é preciso que haja indícios suficientes para a apuração dos fatos. Como verificamos, até o momento o que existe é uma denúncia vazia, sem provas”, ressalta Marinho Marte.

Fosse uma frase de um vereador aliado, estaria tudo em ordem essa afirmação. Mas partindo de um vereador da oposição a situação muda de figura. Cabe aqui aquele ditado: quando a esmola é demais, até o santo desconfia”.

A expectativa é que Marinho muito em breve veja motivo para propor a CPI. E o breve será o mais próximo de abril possível. E por quê abril? Por que são exatos seis meses antes da eleição ou alguém dúvida que essa denúncia da Prius será um dos temas da eleição desse ano?

Comentários

Leia também