Vereador se revolta com tratamento da coligação em torno do PMDB na eleição municipal

O clima entre o vereador Marinho Marte (PPS), que desde 1982 vem sendo reeleito sem interrupção para vereador na Câmara de Sorocaba, e o pré-candidato a prefeito pelo PMDB, Renato Amary, está para lá de azedo. Tudo por causa dos partidos e candidatos que estão se filiando aos partidos que deverão se coligar em torno da candidatura de Amary a prefeito.

Marinho Marte não se conforma com a chegada do vereador Rodrigo Manga, que deixou o PP e se filiou ao DEM. Ocorrer que PMDB, DEM e PPS deverão formar uma coligação (de no máximo 30 candidatos e não mais 40 como na eleição passada) e com muito sucesso vão eleger de 4 a 5 vereadores (claro que se houver super votação poderão eleger mais). E assim a coligação tem mais super candidatos (com mais de 4 mil votos cada um) do que comporta a legenda. A expectativa é de que Crespo e Manga, ambos do DEM, façam uma média de 6 mil votos cada um. No PMDB há o vereador Dini (com expectativa de pelo menos repetir os 7 mil votos da última eleição), Vitão do Cachorrão que fez 4 mil votos em 2012; Hélio Brasileiro que deve fazer mais de 4 mil votos e tem o apoio da Igreja Católica. Isso sem contar com Cíntia de Almeida, o vereador Tonão (que está para se filiar ao partido) e outros nomes bons de votos.

Marinho já teve duas conversas nesta semana com Renato Amary. A última delas na quarta-feira e parece que o resultado não foi bem o que ele desejava a se levar em conta a imagem que postou em sua página no facebook logo após o encontro. Na imagem está a frase: “Algumas pessoas vão te amar apenas enquanto puderem te usar. A lealdade termina quando os benefícios acabam”. Se não é uma direta em Amary, Marinho deveria ter escolhido outro dia para postar a imagem.

Comentários

Leia também